POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES LEIGOS NA DITADURA CIVIL-MILITAR E A MEMÓRIA DE EDUCADORES NO SERTÃO DA BAHIA (1967 – 1983)

Autores

  • Elane Marcia Silva VIANA PROFESSORA DA EDUCAÇÃO BÁSICA
  • Cláudio Eduardo Félix dos SANTOS Universidade do Sudoeste da Bahia - UESB

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v22i2.19565

Palavras-chave:

Professores Leigos. Educação rural. Formação Docente. Ditadura Civil-Militar.

Resumo


Resumo: Durante as décadas de 1960 a 1980, período de ditadura civil-militar no Brasil, foram criados programas de formação de professores com o objetivo de titular os chamados professores leigos. Um destes foi o “Programa de Aperfeiçoamento do Magistério Primário” – PAMP.  Este artigo apresenta algumas reflexões acerca das ações deste programa aplicadas em áreas rurais da cidade de Guanambi, localizada no semiárido baiano. Nossas fontes foram os documentos oficiais do referido programa, artigos acadêmicos escritos nos anos 1980 que trataram da análise da política de formação de professores leigos e depoimentos de cinco docentes que participaram de cursos promovidos pelo PAMP naquele período. Analisamos a estrutura organizativa desta política educacional em articulação à evocação das memórias das experiências das educadoras e educadores guanambienses estudados para tratar das divergências entre o proposto formalmente e o vivido por aqueles docentes.

Biografia do Autor

Elane Marcia Silva VIANA, PROFESSORA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Mestre pelo Programa de Pós Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade (UESB - campus Vitória da Conquista), especialista em História e Cultura Afro - Brasileira (FACIG), especialista em Psicopedagogia com ênfase em Educação Especial Inclusiva (FACIG), licenciada em História (UNEB - campus VI) e licencianda em Pedagogia (UNEB - campus XII). Atua como docente, da educação básica, nas redes públicas dos municípios de Guanambi-BA e Palmas de Monte Ato-BA. É membro do Grupo de Pesquisa Estudos Histórico-Críticos em Educação - GEPEHCE e do Núcleo de Estudo, Pesquisa e Extensão Educacional Paulo Freire - NEPE. Realiza pequisas com ênfase em História da Educação, Trajetórias Docentes, Memória e Materialismo Histórico Dialético.

Cláudio Eduardo Félix dos SANTOS, Universidade do Sudoeste da Bahia - UESB

Doutor em Educação (UFBA). Professor da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia: Departamento de Filosofia e Ciências Humanas e do Programa de Pós-Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade. Pesquisador do Museu Pedagógico Padre Palmeira (UESB) no qual coordena o Grupo de Pesquisa: Estudos Histórico-Críticos em Educação (GPEHC). Membro do Grupo de Pesquisa Estudos Marxistas em Educação.

Downloads

Publicado

02-04-2019

Como Citar

VIANA, E. M. S.; DOS SANTOS, C. E. F. POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES LEIGOS NA DITADURA CIVIL-MILITAR E A MEMÓRIA DE EDUCADORES NO SERTÃO DA BAHIA (1967 – 1983). Tempos Históricos, [S. l.], v. 22, n. 2, p. 659–678, 2019. DOI: 10.36449/rth.v22i2.19565. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/19565. Acesso em: 7 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos