Arte e política no cinema de Glauber Rocha: uma análise do filme Deus e o Diabo na Terra do Sol

Autores

  • William Vaz de Oliveira
  • Eduardo Nunes Alvares Pavão

DOI:

https://doi.org/10.36449/rth.v15i1.5704

Palavras-chave:

arte, política, cinema novo, Glauber Rocha

Resumo


Este artigo discute a relação existente entre arte e política na cinemática de Glauber Rocha, tendo como foco de análise a obra Deus e o Diabo na Terra do Sol.  Criador do Cinema Novo no Brasil, Glauber propõe um sistema que retrate a realidade nacional através de um realismo quase socialista. Fome, religião e miséria tornam-se constante nas obras do cineasta, além de evidenciar uma cultura brasileira fortemente marcada pelos costumes africanos. Surgido no final dos anos 1950, início dos anos 1960, seu Cinema Novo caracterizava-se pela busca de uma linguagem e uma técnica cinematográfica genuinamente brasileira, que deveria retratar todas as nossas limitações e todo o nosso subdesenvolvimento buscando assim superá-los, procurando aproximar a arte cinematográfica do público. Seu filme Deus e o Diabo na terra do Sol, por exemplo, evidencia essa perspectiva de um cinema puramente nacional.

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

OLIVEIRA, W. V. de; PAVÃO, E. N. A. Arte e política no cinema de Glauber Rocha: uma análise do filme Deus e o Diabo na Terra do Sol. Tempos Históricos, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 191–202, 2000. DOI: 10.36449/rth.v15i1.5704. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/view/5704. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: História, Cinema e Música