MÁRIO FAUSTINO E BENEDITO NUNES: EXISTENCIALISMO E DESENCANTO COM A HISTÓRIA

Dawdson Soares Cangussu

Resumo


O artigo discute a presença do existencialismo na produção literária paraense, entre os anos de 1946 e 1951, ressaltando as diferenças filosóficas e poéticas entre dois nomes desta geração, Benedito Nunes e Mário Faustino, os quais tiveram influências diferentes no que tange à filosofia da existência, visto que, enquanto Benedito Nunes cultivou um existencialismo sartreano, Mário Faustino ligou-se ao poeta introspectivo Rilke.

Palavras-chave


História; literatura; existencialismo

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |