Plata quemada: do livro para as telas

Isis Milreu

Resumo


O objetivo do presente trabalho é fazer uma análise comparativa entre o romance Plata quemada (1997), de Ricardo Piglia e o filme homônimo dirigido por Marcelo Piñeyro. As duas obras baseiam-se em uma história real que ocorreu em 1965, em San Fernando, província de Buenos Aires. Em plena tarde, um grupo assalta o caminhão que transportava o dinheiro do banco até a prefeitura, destinado ao pagamento do salário de funcionários municipais e às obras de saneamento. Seria um simples roubo, se policiais e políticos não estivessem envolvidos e se os assaltantes não resolvessem trair os seus cúmplices e fugirem para Montevidéu. Apesar de saberem que são procurados, sentem-se sufocados e circulam livremente pela capital uruguaia, até que, casualmente, são descobertos pela polícia. Quando percebem que estão cercados, resolvem enfrentar seus perseguidores. Partindo do princípio de que a narrativa cinematográfica possui várias peculiaridades em relação à literária, pretende-se, verificar a maneira como o cineasta Marcelo Piñeyro, ao fazer a transposição do livro para o cinema, interpreta esse romance. Acredita-se que essa articulação entre o texto literário e a sua adaptação para o cinema irá permitir algumas considerações a respeito dos mecanismos com que a linguagem da literatura e do cinema dialogam entre si, possibilitando novas leituras da referida obra.


Palavras-chave


Plata quemada; literatura e cinema; intertextualidade.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista de Literatura, História e Memória - Qualis B2

ISSN: 1983-1498 — ISSN: 1809-5313


Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGL

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalhm@gmail.com |