A focalização do Programa Bolsa Família nos municípios de Santa Catarina: uma análise espacial

Autores

  • Marcio Marconato
  • Marcos Aurélio Brambilla
  • Sidnei Pereira do Nascimento
  • Marcia Regina Gabardo da Camara

DOI:

https://doi.org/10.48075/igepec.v19i1.11594

Palavras-chave:

Pobreza, Bolsa Família, AEDE.

Resumo


O objetivo do presente artigo é verificar a existência da relação espacial entre o beneficio médio concedido pelo Programa Bolsa Família e a taxa de pobreza nos municípios do estado de Santa Catarina. A metodologia utilizada foi a Análise Exploratória dos Dados Espaciais (AEDE). Os resultados revelam a existência da autocorrelação espacial positiva entre as variáveis estudadas, pois os municípios que apresentaram elevado (Baixo) repasse médio do programa Bolsa Família estão rodeados por municípios com grande (Baixo) valor do repasse médio do Programa Bolsa Família. O coeficiente I de Moran positivo indica a existência de autocorrelação positiva entre o valor médio repassado do Programa Social Bolsa Família e a taxa de pobreza, ou seja, onde a pobreza é maior o benéfico médio também é maior. Foi observado um cluster alto-alto na região Oeste e Norte e um baixo-baixo na região Leste e Central. 

Downloads

Publicado

05-09-2015

Como Citar

MARCONATO, M.; BRAMBILLA, M. A.; NASCIMENTO, S. P. do; CAMARA, M. R. G. da. A focalização do Programa Bolsa Família nos municípios de Santa Catarina: uma análise espacial. Informe GEPEC, [S. l.], v. 19, n. 1, p. 38–54, 2015. DOI: 10.48075/igepec.v19i1.11594. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/gepec/article/view/11594. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos