Mercado de trabalho agropecuário na Bahia: evolução e relações de trabalho

Autores

  • Maria Aline Pereira de Brito
  • Luís Abel da Silva Filho
  • Rita de Cássia Candido
  • Veruska Pereira da Silva

DOI:

https://doi.org/10.48075/igepec.v17i2.7053

Palavras-chave:

Mercado de trabalho, Emprego agropecuário, Economia, Bahia.

Resumo


a dinâmica agropecuária brasileira proporcionou desempenho favorável à produtividade do setor. A mecanização do campo, e a melhor performance genética de produtos e processo permitiram ao país uma posição de destaque no mercado internacional. Porém, muitos são os relatos que afirmam tal processo fomentar a desestruturação do mercado de trabalho rural no país. Diante disso, este artigo se propõe a analisar o emprego agropecuário no estado da Bahia nos anos de 2001 a 2008. Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) mostram que ocorreu redução relativa da participação do emprego agropecuário na geração de empregos no estado da Bahia. Adicionalmente, os postos de trabalhos foram segmentados por mão de obra do sexo masculino, com idade média entre 32,20 e 36,75 anos, maioria significativa de ocupados não brancos, escolaridade média muito baixa, mesmo com relativa melhora entre 2001 e 2008, seguido de baixo rendimento médio dos ocupados na agropecuária, mesmo diante de um contexto de relativa melhora nos anos em tela.

Downloads

Publicado

05-06-2014

Como Citar

PEREIRA DE BRITO, M. A.; DA SILVA FILHO, L. A.; CANDIDO, R. de C.; DA SILVA, V. P. Mercado de trabalho agropecuário na Bahia: evolução e relações de trabalho. Informe GEPEC, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 190–203, 2014. DOI: 10.48075/igepec.v17i2.7053. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/gepec/article/view/7053. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos