A reciclagem e os aspectos socioeconômicos dos catadores de resíduos sólidos do aterro sanitário de Ilhéus, Bahia

Autores

  • Makelly Wickert Martinhago
  • Andréa da Silva Gomes
  • Emerson Antônio Rocha Melo de Lucena

DOI:

https://doi.org/10.48075/igepec.v18i2.7319

Palavras-chave:

Resíduos, Cooperativismo, Reciclagem, Desenvolvimento regional.

Resumo


A Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos em Ilhéus tem passado por uma série de intervenções, envolvendo a readequação física e gestão do aterro sanitário. A pesquisa analisou a cadeia de reciclagem e os aspectos sociais e econômicos dos catadores que atuam no aterro sanitário de Ilhéus. Aplicou-se  questionário semiestruturado para 40 catadores, além de análise documental. Concluiu-se que os catadores atuavam, em 2012, de maneira informal, individual e sem estrutura física e funcional. Esse mercado deixa de gerar 90% das receitas que os resíduos sólidos urbanos podem proporcionar. De acordo com os dados analisados, a receita média mensal gerada para cada catador era, em 2012, equivalente a 62% do salário mínimo vigente naquele ano. Pela ausência de um programa de coleta seletivo efetivo, o município de Ilhéus deixa de proporcionar receitas com a inclusão social, e de reduzir impactos ambientais gerados pela destinação final inadequada dos resíduos sólidos urbanos.

Downloads

Publicado

12-02-2015

Como Citar

MARTINHAGO, M. W.; GOMES, A. da S.; MELO DE LUCENA, E. A. R. A reciclagem e os aspectos socioeconômicos dos catadores de resíduos sólidos do aterro sanitário de Ilhéus, Bahia. Informe GEPEC, [S. l.], v. 18, n. 2, p. 37–50, 2015. DOI: 10.48075/igepec.v18i2.7319. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/gepec/article/view/7319. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos