“O MENINO QUE DESCOBRIU O VENTO”: REFLEXÕES SOBRE LEITURA E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/ri.v24i2.26633

Palavras-chave:

Ensino, Leitura, Letramento

Resumo


Levando em consideração o pensamento freireano acerca da leitura do mundo e a noção de letramento nos termos de Soares (2014) e nas discussões de Rojo (2009) e Kleiman (2004), temos como objetivo neste trabalho discutir de que forma essa prática pode ser observada em William Kamkwamba, protagonista do longa-metragem “O menino que descobriu o vento”, de 2019. Ao ver sua aldeia, em Malauí, na África, devastada pela seca, pela fome e pela miséria, William é capaz de ler seu mundo (cf. Freire, 2000) e, por meio da leitura de um livro, Using the energy, ele consegue ajudar sua aldeia. Dessa forma, refletimos as leituras de mundo enquanto contribuição crítica para a formação do cidadão. Para isso, evocamos as contribuições de Mikhail Bahktin (2003; 2009) para compreender as relações entre o “eu” e “outro”, pois o sujeito constitui e é constituído pelas relações sociais e culturais. As conexões entre as fases, apresentadas durante o filme, representam as ligações entre conhecimento, natureza e sociedade, ou seja, imagens de um leitor menino, que não leu somente um livro, mas, seu mundo, seu presente e seu passado.

Biografia do Autor

Cindy Mery Gavioli-Prestes, UNICENTRO

Departamento de Letras e Linguística. Área de pesquisa: teoria e análise linguística, sintaxe, gramática, ensino, formação de professores.

Downloads

Publicado

24-06-2021

Como Citar

ROSA, M.; GAVIOLI-PRESTES, C. M.; ROSA, M. “O MENINO QUE DESCOBRIU O VENTO”: REFLEXÕES SOBRE LEITURA E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Ideação, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 65–87, 2021. DOI: 10.48075/ri.v24i2.26633. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/ideacao/article/view/26633. Acesso em: 9 dez. 2021.