O ORGULHO E A DISSIMULAÇÃO NA OBRA MACHADIANA: IAIÁ GARCIA

Autores

  • Rogéria Machado Lage Magrone

DOI:

https://doi.org/10.5935/rl&l.v9i17.2073

Palavras-chave:

Iaiá Garcia, dissimulação, orgulho

Resumo


Joaquim Maria Machado de Assis, cronista, contista, dramaturgo,
romancista, crítico e ensaísta, que viveu no final do século XIX e início do século XX, época em que o sistema patriarcal sempre reinou e, em sua obra, isso aparece claramente. As mulheres, descritas nos romances machadianos, são envolvidas com os afazeres domésticos, confirmando o modelo familiar da época. Embora o escritor tenha seguido o modelo patriarcal, ele procurou valorizar a mulher em seus romances e contos. Nesse
sentido, pode-se observar a importância dada à mulher na obra machadiana, nos papéis que a elas são designados. Normalmente esses são marcantes, determinados, independentes, inteligentes e algumas vezes chegam a conduzir
o romance. Esse artigo tem por objetivo abordar as personalidades e as características das personagens Iaiá Garcia, protagonista, e Estela Antunes do romance Iaiá Garcia de Machado de Assis. Embora a protagonista seja Iaiá Garcia, durante a leitura, nota-se que a personagem Estela Antunes é
quem conduz o romance de maneira bem sutil, não deixando de demonstrar sua característica mais marcante – o orgulho. Ao final da leitura é que se vê que a personagem Iaiá Garcia – protagonista - menina meiga e inteligente que se torna uma mulher esperta, orgulhosa, vaidosa e caprichosa é quem realmente conduz o enredo, de forma dissimulada, consegue alcançar seus objetivos com uma jogada de mestre. Iaiá possuía duas qualidades essenciais para um bom jogador de xadrez: vista pronta e paciência beneditina, sendo assim a protagonista, que já traçara seu destino desde menina, dá um cheque-mate e ganha o jogo.

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

MAGRONE, R. M. L. O ORGULHO E A DISSIMULAÇÃO NA OBRA MACHADIANA: IAIÁ GARCIA. Línguas & Letras, [S. l.], v. 9, n. 17, p. p. 187–197, 2000. DOI: 10.5935/rl&l.v9i17.2073. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/linguaseletras/article/view/2073. Acesso em: 26 jun. 2022.

Edição

Seção

Estudos Literários