USOS AMOROSOS NO FRANQUISMO OU UMA NOTA DE RODAPÉ NUM POEMA DE ÁNGEL GONZÁLEZ

Autores

  • Margareth Santos

DOI:

https://doi.org/10.48075/rlhm.v8i12.7127

Palavras-chave:

Ángel González, Poesia do pós-guerra civil espanhola, franquismo

Resumo


Em seu poema “Lecciones del buen amor”, Angel González, poeta espanhol da Geração de 1950, lança mão de um curioso recurso na matéria poética: depois de descrever um casal considerado como “exemplo” pelo franquismo, ou seja, católico, regrado no dizer e no fazer e, sobretudo, de amor modelar, o poeta insere uma nota de rodapé no poema e nela podemos ler as mazelas, o asco e o ódio recíproco do casal em questão. Essa articulação inusitada para um poema nos remete a um intenso diálogo intertextual que vai desde a obra que conecta com o título do poema do poeta ovetense, o El Libro del Buen Amor, do Arcipreste de Hita, em que o autor da Idade Média supostamente nos alerta sobre os malefícios do “louco amor”, passa pelo livro de Vicente Aleixandre, La destrucción o el amor, no qual convivem de forma pendular os sentimentos avassaladores e os edificantes e chega ao ensaio de Carmen Martín Gaite,  Usos amorosos en la posguerra, em que a autora traça um percurso pelos anos imediatos da pós-guerra civil espanhola a fim de retratar as relações amorosas sob o céu da ditadura franquista. A partir desse diálogo, composto sob o signo da ironia e da constatação de uma sociedade pautada pelas aparências e pela rigidez nas relações, pretende-se discutir como o poeta contrapõe diversos tipos e níveis de linguagem a fim de capturar e expor a hipocrisia latente e presente no trato amoroso e social nos anos da ditadura franquista. 

Downloads

Publicado

06-12-2012

Como Citar

SANTOS, M. USOS AMOROSOS NO FRANQUISMO OU UMA NOTA DE RODAPÉ NUM POEMA DE ÁNGEL GONZÁLEZ. Revista de Literatura, História e Memória, [S. l.], v. 8, n. 12, 2012. DOI: 10.48075/rlhm.v8i12.7127. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/rlhm/article/view/7127. Acesso em: 21 out. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ VISÕES E (RE)VISÕES DA GUERRA CIVIL ESPANHOLA NA LITERATURA