Destinação e reaproveitamento de subprodutos da extração olivícola

Autores

  • Rosalina Marangon Lima Medeiros
  • Fabíola Villa
  • Daniel Fernandes da Silva
  • Luciana Resende Cardoso Filho

DOI:

https://doi.org/10.18188/sap.v15i2.11905

Palavras-chave:

Bagaço, Olea europaea, processamento, reaproveitamento

Resumo


Os resíduos obtidos do processo de extração do azeite de oliva são subprodutos gerados de diferentes formas e composição, de acordo com o equipamento de extração usado, a cultivar de azeitona e maturidade do fruto. Na prensagem tradicional das azeitonas, usando processo contínuo de três fases, os resíduos produzidos compreendem a parte líquida (água de vegetação) + bagaço (resíduo sólido). O bagaço da azeitona ao sofrer nova extração produz o óleo do bagaço, enquanto o resíduo aquoso é usualmente descartado sem controle, causando vários problemas ambientais. Ao se usar um sistema de duas fases para produção do azeite, elimina-se o problema, originando um novo resíduo, conhecido como “alperujo”; bem como água de vegetação. As indústrias da extração olivícola têm procurado investir em alternativas que possibilitem o uso de seus resíduos, como adubo, herbicida, ração animal e óleo residual. Portanto, estudos nessa área são necessários, a fim de se obterem novas alternativas para o reaproveitamento dos resíduos da indústria da extração, contribuindo para a sustentabilidade e redução do impacto ambiental.

Downloads

Publicado

05-07-2016

Como Citar

MEDEIROS, R. M. L.; VILLA, F.; SILVA, D. F. da; CARDOSO FILHO, L. R. Destinação e reaproveitamento de subprodutos da extração olivícola. Scientia Agraria Paranaensis, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 100–108, 2016. DOI: 10.18188/sap.v15i2.11905. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/scientiaagraria/article/view/11905. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Revisões Bibliográficas