SISTEMAS DE CULTIVOS NO DESENVOLVIMENTO RADICULAR DA SOJA

Autores

  • Ana Maria Conte e Castro
  • Márcio Lustosa dos Santos
  • Ivan Bordin
  • Eurides Kuster Macedo Júnior

Palavras-chave:

compactação do solo, Glycine max, plantio direto, porosidade.

Resumo


Uma das características mais importantes no desenvolvimento de
uma cultura é o estudo do sistema radicular, que aliado as formas de manejo
do solo, poderá refletir aspectos importantes de seu desempenho. Assim, foi
realizado um experimento com alguns sistemas de cultivo na cultura da soja.
Os tratamentos foram: sistema convencional (SC), plantio direto durante
cinco anos (PD5) e plantio direto durante 10 anos (PD10). Foram abertas
duas trincheiras para cada sistema e coletadas amostras de solo com a cultura
em pleno florescimento. Cada trincheira tinha 100 cm de comprimento
na linha, abrangendo de 10-12 plantas, com 80 cm de largura até alcançar a
outra linha de semeadura, conseqüentemente eliminando linha de semeadura,
com finalidade de facilitar o trabalho dentro da trincheira e profundidade
de 60 cm. As raízes foram avaliadas pelo Sistema Integrado para Análise
de Raízes de Cobertura do Solo (SIARCS). Ao longo do perfil do solo foram
coletadas amostras a cada 10 cm e avaliado: teor de água, densidade do solo
e porosidade. Os resultados permitiram concluir que no sistema convencional
as raízes, na sua maioria, foram superficiais e que no sistema plantio
direto, independente do tempo, não houve diferenças na distribuição das
raízes ao longo do perfil do solo. A densidade do solo na camada superficial
foi menor no sistema convencional. O sistema convencional apresentou maior
macroporosidade e menor microporosidade, sendo que no plantio direto, independente do tempo dessa prática, a microporosidade foi maior e menor a
macroporosidade.

Downloads

Publicado

10-11-2009

Como Citar

CASTRO, A. M. C. e; SANTOS, M. L. dos; BORDIN, I.; MACEDO JÚNIOR, E. K. SISTEMAS DE CULTIVOS NO DESENVOLVIMENTO RADICULAR DA SOJA. Varia Scientia, [S. l.], v. 7, n. 13, p. p. 79–86, 2009. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/variascientia/article/view/2525. Acesso em: 29 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos e Ensaios