Metabolismo da pectina em animais ruminantes - uma revisão

Autores

  • Mylene Müller
  • Ivanor Nunes do Prado

Palavras-chave:

Nutrição de ruminantes, Polpa de citrus, Rúmen

Resumo


As pectinas são substâncias encontradas em subprodutos da indústria de extração de sucos de frutas — como a polpa de laranjas e maçãs — e da extração de açúcar — como a polpa de beterraba —, e fazem parte dos componentes da parede celular, atuando como cimento entre as células. A pectina é o único componente da parede celular que é completamente e rapidamente fermentável e, portanto, não é uma substância lignificada. Outra grande vantagem é que a fermentação da pectina não produz ácido láctico no ambiente ruminal, resultando em características fermentativas semelhantes às espécies forrageiras e contrárias aos açúcares que são rapidamente fermentados a lactato. Em virtude dessas características benéficas, a inclusão de subprodutos ricos em pectina na dieta de animais ruminantes poderá melhorar a digestibilidade da maioria dos nutrientes, por proporcionar um ambiente ruminal saudável, ao contrário do que ocorre com fontes ricas em amido, cujo padrão de fermentação diminui o pH ruminal, tornando os ruminantes propensos a distúrbios metabólicos como a acidose ruminal e o timpanismo, em sistemas intensivos.

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

MÜLLER, M.; DO PRADO, I. N. Metabolismo da pectina em animais ruminantes - uma revisão. Varia Scientia, [S. l.], v. 4, n. 8, p. p. 43–56, 2000. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/variascientia/article/view/722. Acesso em: 22 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos e Ensaios