TRABALHO, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO

Silvana Aparecida de Souza

Resumo


Partindo da centralidade da categoria trabalho, o presente texto, que representa um estudo de caráter conceitual e teórico, explora os limites da compreensão de que a educação é atividade necessariamente emancipadora. Sem a menor pretensão de esgotar o assunto, e, nos limites de um artigo, para realizar esse estudo apoiei-me em considerações de autores clássicos da teoria marxista, que tratam, cada qual com alguma diferenciação  terminológica, da questão da educação e sua relação com o processo de emancipação humana, de igualdade ou de desigualdade social. Este estudo resulta na compreensão de que, se os meios não podem contrariar os fins, somente a partir de fins emancipatórios mais amplos é que a educação pode tornar-se atividade também emancipatória, e que isso só é possível na contracorrente da sociedade capitalista, que se utiliza da educação escolar e da educação em geral para internalizar valores  correspondentes a uma consciência alienada.

Palavras-chave


Educação; emancipação; trabalho e educação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.48075/ri.v11i2.4950

Direitos autorais 1969 Direitos partilhados conforme licença CC BY-NC-SA 4.0

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

REVISTA IDEAÇÃO

____________________________________________________________________________________________________________

e-ISSN: 1982-3010 — ISSN: 1518-6911

Unioeste

Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Campus de Foz do Iguaçu

Centro de Educação e Letras

Foz do Iguaçu - Paraná - Brasil

[ ideacao@yahoo.com.br ]