Adição, Disjunção e Adversidade: Os Valores Semântico/Discursivos de Sentenças Coordenadas Presentes No Gênero Artigo de Opinião

Geisa Pelissari Silvério

Resumo

Os estudos da gramática tradicional, tão apregoados nos diferentes níveis educacionais, não consideram o aspecto pragmático na produção de textos orais ou escritos. Este aspecto leva em consideração o contexto em que a mensagem a ser veiculada está inserida. Sendo assim, ao ater-se somente aos elementos morfológicos, sintáticos e semânticos, a gramática normativa deixa de considerar usos que estão cada vez mais recorrentes na língua portuguesa. Pretende-se, portanto, por meio da corrente funcionalista, estudar as estruturas coordenadas, compreendendo as relações semânticas e os valores discursivos dessas sentenças sob o olhar funcionalista. Isso porque, pela gramática tradicional, são consideradas estruturas independentes sintaticamente da oração anterior e sem vínculos necessariamente semânticos. Para isso, considerar-se-á, neste trabalho, a visão de Pezatti & Longhin-Thomazi (2008) que defendem como relações coordenadas a adição, disjunção e adversidade e analisam os valores semântico/discursivos dos termos “e”, “ou” e “mas” na língua falada. A partir das considerações dessas autoras, buscou-se constatar a possibilidade desses conectivos aparecerem em textos da língua escrita com os mesmos valores semântico/discursivos. Para tanto, selecionou-se exemplos presentes em gêneros textuais de meios de comunicação, como revistas de grande circulação, que abrangessem essas estruturas. Por fim, busca-se depreender os possíveis e diferentes aspectos das estruturas coordenadas, como os aspectos de simetria, valores semânticos e discursivos na linguagem escrita e a importância do entendimento desses diferentes usos para o ensino de Língua Portuguesa.

Palavras-chave

Funcionalismo; Sentenças Coordenadas; Valores Semântico/Discursivos.

Texto completo:

PDF