Reescrita de textos-fonte e autoria: serão mesmo incompatíveis?

Claudia Rosa Riolfi, Sabrina Leonzi D'Alessandro

Resumo

O que ocorre quando crianças de 8 anos são solicitadas a reescrever, em provas escolares, textos-fonte previamente lidos por sua professora? Analisando 116 textos escritos por 30 estudantes de terceiro ano do Ensino Fundamental em escola pública paulista, o estudo procurou investigar: 1) As operações de escrita utilizadas pelos participantes; e 2) A possibilidade de encontrar criação em textos cuja proposta inicial era a de reprodução parafrástica. Partiu-se de uma concepção de linguagem que a vê tanto como um trabalho linguístico, um elemento ontológico fundador do ser humano (ROSSI-LANDI, 1985) quanto salienta seu caráter voltado para à variação e para a criatividade (BENVENISTE, 1991). Concluiu-se que, mesmo em exercícios escolares nos quais aparentemente existe pouco espaço para a inventividade, o exercício da escrita autoral pode irromper, pois as brechas de incompreensão e/ou equívoco que os textos apresentam para as crianças abrem oportunidades para o surgimento da subjetividade.

 

Palavras-chave: escrita; reformulação parafrástica; autoria.

Palavras-chave

Escrita; reformulação parafrástica; autoria.

Texto completo:

PDF

Referências

BENVENISTE, Émile. Problemas de Lingüística Geral I. 3. ed. São Paulo: Pontes, 1991.

BEZERRA, Lidiane de Morais Diógenes. O uso de operações linguístico-discursivas da crítica genética na reescritura de textos. 198p. Tese (doutorado em estudos da linguagem). Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Departamento de Letras, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/16378. Acesso em: 28 dez. 2017.

BRÄKLING, Kátia Lomba. Orientações didáticas fundamentais sobre as expectativas de aprendizagem de língua portuguesa. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano). São Paulo: Secretaria da Educação, 2013. Disponível em: http://www.educacao.sp.gov.br/a2sitebox/arquivos/documentos/963.pdf Acesso em: 03 jun. 2017.

CALIL, Eduardo. Família atrapalhada: uma análise do processo de rasuramento em texto escrito por crianças. Manuscrítica. Revista de Crítica Genética, São Paulo, n. 6, p. 93-111, 1996. Disponível em: http://revistas.fflch.usp.br/manuscritica/article/view/873. Acesso em 06 jan. 2017.

CALIL, Eduardo. Autoria: a criança e a escrita de histórias inventadas. Maceió: Edufal, 1998.

CALIL, Eduardo; LIMA, Maria Hozanete Alves de. Nomes próprios em histórias inventadas: odores de um encadeamento. CALIL, Eduardo. (Org.). Trilhas da autoria: leitura, autoria e ensino. São Paulo: Cortez, 2007. p. 111-131.

CALIL, Eduardo. Escutar o invisível: escritura & poesia na sala de aula. São Paulo: Editora UNESP; Rio de Janeiro: FUNARTE, 2008.

CAMPOS, Claudia Susana Dias Crespi de. A qualidade das narrativas infantis escritas: inferências e tergiversações. In: ENCONTRO DO CELSUL, 8., 2008, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: UFRGS, 2008. Disponível em: http://www.leffa.pro.br/tela4/Textos/Textos/Anais/CELSUL_VIII/ling%20textual-Claudia%20Susana%20Dias%20Crespi%20de%20Campos.pdf Acesso em: 30 dez. 2017.

COSTA, Renata Oliveira. Indícios de estilosidade: estilo e autoria em textos de crianças do ensino fundamental. In: GONÇALVES-SEGUNDO, P. R. et al. (Orgs.). Discurso e Linguística: diálogos possíveis. São Paulo: Editora Paulistana, 2016. p. 266-280.

DE BIASI, Pierre-Marc. O Horizonte genético. In: ZULAR, Roberto (Org.). A criação em processo. Ensaios de crítica genética. São Paulo; Iluminuras, 2002. p. 219-251.

FIAD, Raquel Salek. Episódios de reescrita em textos infantis. Estudos linguísticos, São Paulo, 38, p. 9-18, maio/ago. 2009. Disponível em: http://www.gel.org.br/estudoslinguisticos/volumes/38/EL_V38N2_01.pdf Acesso em 30 dez. 2017.

FLÔRES, Onici Claro. Quando as crianças passam a entender que dois textos querem dizer o mesmo, ainda que as palavras neles contidas sejam diferentes? Revista da Anpoll, Florianópolis, v. 1, n. 37, p. 134-144, jul./dez. 2014. Disponível em: https://revistadaanpoll.emnuvens.com.br/revista/article/view/776. Acesso em 30 dez. 2017.

FOUCAULT, Michel. (1969). O que é um autor? In: FOUCAULT, Michel . Ditos e escritos III: Estética - literatura e pintura, música e cinema. Tradução de Inês Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. p. 264-298.

FUCHS, Catherine. A paráfrase linguística – equivalência, sinonímia ou reformulação. Tradução de João Wanderley Geraldi. Cadernos de estudos linguísticos, Campinas, v. 8, n. 8, p. 129-134, 1985. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636744. Acesso em 31 dez. 2017.

GERALDI, João Wanderley. (Org.). O texto na sala de aula. Cascavel: Assoeste, 1985.

GERALDI, João Wanderley. (1991). Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1986. p. 143-179.

GRÉSILLON, Almuth; LABRAVE, Jean-Louis. Avant-propos. In: GRÉSILLON, Almuth; LABRAVE, Jean-Louis. Langages. Paris: Larousse, 1983. p. 62-69.

GRÉSILLON, Almuth. Devagar: obras. In: ZULAR, Roberto (org). Criação em processo: ensaios de crítica genética. São Paulo: Editora Iluminuras, 2002. p. 147-173.

GRÉSILLON, Almuth. Elementos de crítica genética: como ler os manuscritos modernos. Tradução de Cristina de Campos Velho Birck. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

LAJOLO, Marisa. O texto não é pretexto. In: ZIBERMAN, Regina (Org.). Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982. p. 51-62.

NÓBREGA, Maria José. Redigindo textos, assimilando a palavra do outro. Revista Veras, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 22-34, 2011. Disponível em: http://site.veracruz.edu.br/instituto/revistaveras/index.php/revistaveras/article/view/3. Acesso em 31 dez. 2017.

ORLANDI, Eni P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 1996.

POSSENTI, Sírio. Indícios de autoria. Perspectiva, Florianópolis, v. 20, n. 1, p.105-124, jan./jun. 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/viewFile/10411/9677. Acesso em 31 dez. 2017.

POSSENTI, Sírio. Ensinar estilo? Calidoscópio. Vol. 5, n. 1, p. 19-23, jan/abr 2007. Acesso em 08 jul. 2018.

POSSENTI, Sírio. Notas sobre a questão da autoria. Matraga, Rio de Janeiro, v. 20, n. 32, p. 239-250, jan./jun. 2013. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/matraga/article/view/19851 Acesso em 31 dez. 2017.

RIOLFI, Claudia Rosa; BARZOTTO, Valdir Heitor. Alunos que erram: os paradoxos entre o uno e o múltiplo na produção textual. In: MRECH, Leny M.; PEREIRA, Marcelo R. (Org.). Psicanálise, transmissão e formação de professores. Belo Horizonte: Fino Traço/FAPEMIG, 2011. p. 91-102.

ROSSI-LANDI, Ferrucio. A linguagem como trabalho e como mercado: uma teoria da produção e da alienação linguísticas. São Paulo: DIFEL, 1985.

SANTOS, Janayna; CAVALCANTE, Valéria; LIRA, Jailton. O ensino da linguagem escrita no Ensino Fundamental: uma análise sobre a reescrita de contos. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO SUPERIOR: SABERES, TECNOLOGIAS E OS DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO, 3., 2015, João Pessoa. Anais... João Pessoa: UFPB, 2015. Disponível em: http://www.coipesu.com.br/upload/trabalhos/2015/12/o-ensino-da-linguagem-escrita-no-ensino-fundamental-uma-analise-sobre-a-reescrita-de-contos.pdf. Acesso em 25 out. 2017.

SÓHISTÓRIA. João-de-barro. Disponível em: http://www.sohistoria.com.br/lendasemitos/joaodebarro/ Acesso em 10 jun. 2017.

SUASSUNA, Lívia. Instrumentos de avaliação em Língua Portuguesa: Limites e possibilidades. In: MARCUSCHI, Beth; SUASSUNA, Lívia. Avaliação em Língua Portuguesa: contribuições para a prática pedagógica. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 112-125.

TOLKIEN, John Ronald Reuel. O senhor dos anéis. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

URIBE, Veronica. (Org.). Contos de assombração. São Paulo: Editora Ática, 1999.

VILA, Martinho. A rainha da bateria. Ilustrações de Marcelo D’Salete. São Paulo: Lazuli infantil, 2009.