Multiletramentos e Ensino de Literatura em Língua Inglesa na Formação do Professor em Um Curso EaD

Vera Helena Gomes Wielewicki, Liliam Cristina Marins

Resumo

Este trabalho tem como objetivo principal apresentar e discutir uma proposta de Ensino de Literatura em Língua Inglesa, a partir da análise de um livro didático, elaborado em 2014 para um Curso de Letras-EaD, acrescida de comentários dos alunos postados na plataforma Moodle. O livro contempla os principais gêneros literários (poesia, conto, drama e romance) e exemplos de textos literários desses gêneros que têm sua circulação expandida para canções, adaptações/traduções, telenovelas e filmes. Além disso, há sugestões de atividades para o texto literário em sala de aula do Ensino Básico e questões para a reflexão crítica do professor de literatura de língua inglesa segundo a pedagogia dos multiletramentos. Embora não haja na grade curricular do ensino regular uma disciplina voltada para a literatura em língua inglesa, acreditamos que não podemos ignorar todo esse material na sala de aula de língua inglesa no contexto brasileiro, pois ele pode contribuir para o desenvolvimento crítico e criativo dos alunos. Esta discussão se justifica por possibilitar reflexões sobre o ensino de literatura via outros meios (além do livro escrito) em uma configuração de ensino superior que ainda está galgando degraus para transpor barreiras geográficas, políticas, culturais e sociais – como é o caso da Educação a Distância no Brasil. O aporte teórico deste estudo se fundamenta em teóricos dos multiletramentos (COPE, B; KALANTZIS, M., 2000), das multimodalidades (KRESS, 2000) e da educação a distância (MOORE, 2002).

Palavras-chave

Ensino de literatura em língua inglesa; educação a distância; multiletramentos

Texto completo:

PDF

Referências

BENADE, L. Teachers’ Critical Reflective Practice in the Context of Twenty-first Century Learning. Open Review of Educational Research, Volume 2, Issue 1, p. 42-54, 2015. Disponível em Acesso em: 29 abril 2017.

CABAU, N. C. F. A concepção da Teoria da Distância Transacional no Brasil: um mapeamento de teses e dissertações no período de 2006 a 2016. 2017. 201 f. Dissertação (Mestrado) – UEM, 2017.

CANCLINI, N.G. Leitores, espectadores e internautas. Tradução Ana Goldberger. São Paulo: Iluminuras: 2008.

CHARTIER, R. Os desafios da escrita. Tradução Fulvia M. L. Moretto. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

COPE, B; KALANTZIS, M. Multiliteracies: the beginning of an idea In: COPE, B; KALANTZIS, M. Multiliteracies. Abingdon: Routledge, 2000. pág. 3-8.

DEACON, R.; PARKER, B. A educação como sujeição e recusa. In Silva, T. T. (org.) Sujeitos da Educação – Estudos Foucaultianos, Petrópolis: Vozes, 1999.

FERREIRA, J. L. Moodle: um espaço de interação e aprendizagem. In: Costa. M. L. F.; Zanatta, R. M. (Orgs.). Educação à distância no Brasil: aspectos históricos, legais, políticos e metodológicos. 2. ed. Maringá: Eduem, 2014.

GUMBRECHT, H.U. Modernização dos sentidos. Tradução Lawrence Flores Pereira. São Paulo: Ed. 34, 1998.

HUTCHEON, L. Uma Teoria da Adaptação. Tradução André Cechinel. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2011.

KRESS, G. Multimodality. A social semiotic approach to contemporary communication. New York: Routledge, 2010.

KRESS, Gunther; LEEUWEN, Theo van. Reading images: the grammar of visual design. 2nd ed. London: Routledge, 2006.

LÉVY, Pierre. A Inteligência Coletiva: por uma Antropologia do Ciberespaço. São Paulo: Loyola, 1999.

MARINS, Liliam Cristina; WIELEWICKI, Vera Helena Gomes. Ensino de Literatura em Língua Inglesa. Formação de Professores em Letras – EAD . v. 48. Maringá: Eduem, 2015.

MOORE, Michael G. Teoria da Distância Transacional. Trad. Wilson Azevedo. São Paulo: Revista Brasileira de Aprendizagem a Distância, 2002. p. 01-14.

MORAN, J. M. O que é educação a distância. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/dist.pdf. Acesso em: 20 de maio 2017.

OLHER, Rosa Maria; WIELEWICKI, Vera Helena Gomes. Tradução em aulas de literatura estrangeira: prática ilícita ou prática pedagógica? In Claritas, São Paulo, n. 12(1): 139-150, maio, 2006.