Narrar é Resistir: Os Processos de Transculturação Narrativa em “Meu Tio o Iauaretê”, de Guimarães Rosa

João Pedro Bellas

Resumo

Em suas manifestações iniciais, a literatura na América Latina desempenhou um papel determinante no processo colonizador, funcionando muitas vezes como expressão dos padrões culturais do colonizador. Conforme desenvolveu-se, entretanto, a produção literária latino-americana possibilitou uma resistência às tendências colonizadoras, promovendo o resgate e revalorização de elementos característicos das tradições culturais nativas do continente americano. Esse papel de resistência foi amplamente estudado pelo crítico uruguaio Ángel Rama, sobretudo em seus escritos sobre a transculturação narrativa, conceito formulado a partir das contribuições do antropólogo cubano Fernando Ortiz. Rama mostrou-se particularmente interessado pelo modo como alguns escritores latino-americanos rearticularam no âmbito ficcional os aspectos próprios das tradições populares das regiões rurais da América Latina, criando a partir da fala dos habitantes do interior uma linguagem literária mais apropriada para expressar a visão de mundo engendrada por esses elementos culturais. Um dos autores estudados por Rama é Guimarães Rosa. De fato, os pontos centrais da proposta poética do escritor mineiro vão ao encontro do conceito de transculturação desenvolvido pelo crítico uruguaio. Nesse sentido, a proposta deste artigo é analisar o conto “Meu tio o iauaretê” (1961) para explicitar os procedimentos de transculturação narrativa empregados por Guimarães Rosa. O objetivo é explorar a partir da obra rosiana o papel de resistência cultural desempenhado pela literatura latino-americana, mostrando como o conto contribui para uma reafirmação e valorização de elementos próprios da cultura indígena frente a problemática da colonização.

Palavras-chave

Guimarães Rosa; Transculturação; Ángel Rama

Texto completo:

PDF

Referências

CAMPOS, Haroldo de. A linguagem do Iauaretê. In: _____. Metalinguagem. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1970. pp. 47-53.

CANDIDO, Antonio. Literatura de dois gumes. In: _____. A educação pela noite. 6 ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011. pp. 197-218.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Perspectivismo e multinaturalismo na América indígena. In: A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002. pp. 345-399.

CHKLOVSKI, Viktor. A arte como procedimento. In: CHKLOVSKI, Viktor et al. Teoria da literatura – formalistas russos. 3 ed. Porto Alegre: Globo, 1976. pp. 39-56.

COUTINHO, Eduardo F. Grande sertão: veredas. Travessias. São Paulo: É Realizações, 2013.

GALVÃO, Walnice Nogueira. O impossível retorno. In: _____. Mínima mímica: ensaios sobre Guimarães Rosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. pp. 11-40.

RAMA, Ángel. Transcuturación narrativa en América Latina. 2 ed. Buenos Aires: Ediciones El Andariego, 2008.

_____. Os processos de transculturação na narrativa latino-americana. In: AGUIAR, Flávio & VASCONCELOS, Sandra Guardini T. (orgs). Angel Rama: literatura e cultura na América Latina. Trad. Raquel la Corte dos Santos, Elza Gasparotto. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001. pp. 209-238.

_____. Literatura e cultura. In: AGUIAR, Flávio & VASCONCELOS, Sandra Guardini T. (orgs). Angel Rama: literatura e cultura na América Latina. Trad. Raquel la Corte dos Santos, Elza Gasparotto. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001b. pp. 239-280.

ROSA, João Guimarães. Sagarana. Rio de Janeiro: Record, 1984.

_____. Uns índios (sua fala). In: _____. Ave, palavra. 6 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009. pp. 129-132.

_____. Minas Gerais. In: _____. Ave, palavra. 6 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009b. pp. 342-350.

_____. Entremeio – Com o vaqueiro Mariano. In: _____. Estas Estórias. 7 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015. pp. 91-124.

_____. Meu tio o Iauaretê. In: _____. Estas Estórias. 7 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015b. pp. 155-190.

TIBIRIÇÁ, Luiz Caldas. Dicionário tupi-português. 2 ed. Liberdade: Traço Editora, s/d.