Um destino (re) traçado e desdobrado: José Rubem Fonseca

Regina Coeli Machado e Silva

Resumo


Apresentando reflexões iniciais sobre o romance autobiográfico de Rubem Fonseca, procuro mostrar que o significado desse romance pode ser entendido como a construção de Rubem Fonseca como “obra de si mesmo”, isto é, como um escritor consagrado e prestigiado no campo literário. Deste modo, a inteligibilidade desse romance se constrói fora dele, naquilo que não é narrado. O relato focaliza o período da juventude do autor, mas indícios no texto asseguram as funções referenciais pelo nome e assinatura do autor/narrador/personagem, permanecendo como forças legitimadoras. Para isto, considerando as relações entre autobiografia e romance autobiográfico, exponho o pacto biográfico e o pacto de leitura estabelecidos. Depois apresento as ambigüidades do romance autobiográfico pela sobreposição de diferentes tempos e pelo jogo de vozes narrativos. Por último, mostro as condições de possibilidade da construção da identidade autoral e do espaço biográfico de Rubem Fonseca no romance.

Palavras-chave


Rubem Fonseca; Romance autobiográfico; Antropologia da Literatura.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5935/rl&l.v13i24.7772

Direitos autorais



Revista Línguas & Letras

 


e-ISSN: 1981-4755 — ISSN: 1517-7238

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Cascavel
Programa de Pós-Graduação em Letras 

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalinguaseletras@gmail.com |