MENTIRA E DISSIMULAÇÃO EM "NOITE DE ALMIRANTE"

Autores

  • Marcos Hidemi Lima
  • Márcia de Fátima Martinez

DOI:

https://doi.org/10.5935/rl&l.v9i17.2070

Palavras-chave:

Machado de Assis, conto, máscara social

Resumo


Este artigo analisa as personagens presentes no conto “Noite de
almirante”, de Machado de Assis, apresentando um narrador que detém seu olhar nos sujeitos de um mundo em que a tônica é a pobreza. Nesse conto cujo enredo aborda uma espécie de adultério entre pobres, a ironia machadiana apresenta a história da paixão ambígua entre o marujo Deolindo
e Genoveva, que firma entre si uma promessa de fidelidade, quebrada, todavia, pela mentira e pela dissimulação de ambas as partes (também uma maneira de mascarar a instabilidade da condição socioeconômica de ambos), haja vista que o marinheiro oculta aos amigos seu desencontro amoroso com Genoveva, bem como esta assume o não cumprimento da palavra empenhada, pois, diante da dúvida do sucesso do relacionamento com o marinheiro, passara a viver com outro homem, reflexo das injunções econômicas às quais muitas das mulheres pobres e comprometidas da época estavam sujeitas, isto é, diante da incerteza de haver uma relação futura pautada pela estabilidade, muitas optavam por unir-se a outro homem, o qual pudesse pelo menos oferecer certa segurança econômica e mesmo amorosa.

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

LIMA, M. H.; MARTINEZ, M. de F. MENTIRA E DISSIMULAÇÃO EM "NOITE DE ALMIRANTE". Línguas & Letras, [S. l.], v. 9, n. 17, p. p. 149–159, 2000. DOI: 10.5935/rl&l.v9i17.2070. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/linguaseletras/article/view/2070. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Estudos Machadianos na Literatura Brasileira