“História Infindável de Dor, de Sangue e de Amor”: Gênero e Memória em A Casa dos Espíritos, de Isabel Allende

Autores

  • Nathalia Ribeiro Travia Universidade Federal do Espírito Santo
  • Maria Mirtis Caser Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.5935/1981-4755.20220004

Palavras-chave:

Isabel Allende-A Casa dos Espíritos, Ficção e História, Gênero-Memória.

Resumo


O presente artigo propõe uma análise do romance A Casa dos Espíritos (1982), de Isabel Allende. O objetivo é investigar sua ficção, relacionada com a história e a memória, enquanto resistência à sociedade patriarcal chilena, demonstrando-se como a obra discute aspectos representacionais e simbólicos acerca de uma cultura feminina. A princípio, avalia-se a violência construída nas concepções de gênero mimetizadas no discurso ficcional durante o período de 1904 a 1973, o que problematiza as hierarquias nas relações em diversos contextos da vida social no Chile. Em seguida, considera-se a fortuna crítica sobre a narrativa ─ com ênfase no estudo acerca do tempo e linguagem na psique feminina ─ para análise de uma escrita marcada pelo realismo maravilhoso, modo ficcional elaborado para conceber a perspectiva sócio-histórica das mulheres no texto. E para complementar a leitura, observa-se o tratamento da memória como fundamento do romance e contributo para transformações sociais. 

Biografia do Autor

Nathalia Ribeiro Travia, Universidade Federal do Espírito Santo

Mestranda em Letras-Estudos Literários (UFES). Bolsista CAPES/DS.

Maria Mirtis Caser, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutora em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora aposentada. Docente do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Espírito Santo.

Referências

ALLENDE, Isabel. A Casa dos Espíritos. 22. ed. Tradução de Carlos Pereira. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: Ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. 3. ed. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BOSI, Alfredo. Narrativa e resistência. In: Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. P. 118-135.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 11. ed. Tradução de Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

CANDAU, Joël. Antropología de la memória. Tradução de Paula Mahler. Buenos Aires: Nueva Visión, 2006.

CANDAU, Joël. Memória e identidade. Tradução de Maria Letícia Ferreira. São Paulo: Contexto, 2011.

CEIA, Carlos. E-Dicionário de Termos Literários. Disponível em: <http://edtl.fcsh.unl.pt/>. Acesso em: 01 jul. 2020.

CHIAMPI, Irlemar. O realismo maravilhoso: forma e ideologia no romance hispano-americano. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2012.

CHEVALIER, Jean. GHEERBRANT, Alain. Diccionario de los simbolos. Barcelona: Editora Herder, 1986.

FRASER, Barbara Kelly. El doble momento: la visión moral de la historia en La casa de los espíritus. de Isabel Allende. 2001. 123 p.; Dissertação (Mestrado em Artes). Malaspina University College, Vancouver, 2001. Disponível em: <https://dspace.library.uvic.ca/bitstream/handle/1828/211/Eldoblemomento%28revisedfinal%29.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 02 jul. 2020.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e Narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2007.

GOLDMAN, Beverly. Magic Realism and Isabel Allende: an investigation of the relationship between narrative technique and gender politics. 1995, 82 p.; Dissertação (Mestrado em Artes). África do Sul, Rand Afrikaans University, 1995. Disponível em: <https://ujcontent.uj.ac.za/vital/access/services/Download/uj:14497/CONTENT1>. Acesso em: 02 jul. 2020.

KRISTEVA, Julia. Women’s Time. Journal of Women in Culture and Society. Chicago, Vol. 7, n. 1, p. 13-35. University of Chicago, 1981. Disponível em: <https://grattoncourses.files.wordpress.com/2012/11/julia-kristeva-womens-time.pdf>. Acesso em: 25 jun. 2020.

PINET, Carolyn. Choosing Barrabás: dog as text & text as dog in Isabel Allende's "La casa de los espíritus". Hispanófila, University of North Carolina, n. 123, p. 55-65, 1998. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/43894961>. Acesso em: 18 jun. 2020.

RUBIN, Gayle. O tráfico de mulheres: notas sobre a “Economia Política” do sexo. Tradução de Christine Rufino Dabat, Edileusa Oliveira da Rocha e Sonia Côrrea. SOS Corpo. Recife, março 1993. 32 p. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/1919>. Acesso em: 30 set. 2020.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Tradução Guacira Lopes Louro. Revista Educação e Realidade, Rio Grande do Sul, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul. /dez. 2005. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71721/40667>. Acesso em: 30 set. 2020.

Downloads

Publicado

13-01-2022

Como Citar

TRAVIA, N. R.; CASER, M. M. “História Infindável de Dor, de Sangue e de Amor”: Gênero e Memória em A Casa dos Espíritos, de Isabel Allende. Línguas &amp; Letras, [S. l.], v. 22, n. 53, 2022. DOI: 10.5935/1981-4755.20220004. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/linguaseletras/article/view/26231. Acesso em: 24 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Literatura e Política: Periferias e Fronteiras