Sentidos e Significados de Graduandos da Educação do Campo da UFPA/Cametá sobre a pessoa com deficiência

Autores

Palavras-chave:

Colonialidade. Decolonialidade. Representações Sociais. Pessoa com deficiência.

Resumo


O presente artigo objetiva analisar as Representações Sociais de graduandos do curso de Licenciatura em Educação do Campo (LEDOC) da UFPA sobre a Pessoa com Deficiência e, de forma específica: identificar os sentidos e significados atribuídos pelos graduandos da Educação do Campo sobre a PcD antes e depois da referida disciplina e elucidar as RS sobre a pessoa com deficiência no âmbito da colonialidade e da Decolonialidade. O trabalho fundamenta-se em autores como Moscovici (2009), Oliveira (2015), Walsh (2009), Mota Neto (2016) entre outros. Realizou-se uma pesquisa de campo de abordagem qualitativa com ênfase na Teoria das Representações Sociais de característica processual de Moscovici, por tratar o foco da gênese das Representações Sociais, analisando os processos de sua formação considerando a historicidade e o contexto de produção, formando processos de representações: a objetivação e a ancoragem. Os entrevistados foram 04 graduandos da LEDOC/UFPA, que cursaram a referida disciplina. Na sistematização e análise dos dados, utilizou-se a técnica da Análise de Conteúdos com ênfase na categorização. Nos resultados observou-se que os sujeitos pesquisados possuíam Representações Sociais acerca da PcD que mantinham o pensamento colonial de inferioridade do ser deficiente e ressignificaram na disciplina para uma perspectiva decolonial.

Biografia do Autor

Waldma Maíra Menezes Oliveira, Doutoranda em Educação, Universidade do Estado do Pará. Professora de Libras da Universidade Federal do Pará (UFPA) campus Cametá. Coordenadora do Grupo de Estudos Surdos na Amazônia tocantina (GESAT). E-mail: waldmamaira@hotmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/9969566482712444.

Doutoranda em Educação, Universidade do Estado do Pará. Professora de Libras da Universidade Federal do Pará (UFPA) campus Cametá. Coordenadora do Grupo de Estudos Surdos na Amazônia tocantina (GESAT). E-mail: waldmamaira@hotmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/9969566482712444.

Ivanilde Apoluceno de Oliveira, Universidade do Estado do Pará - UEPA

Doutora em Educação pela PUC-SP e UNAM-UAM-Iztapalapa - México. Coordenadora e professora no Programa de Pós-graduação em educação da Universidade do Estado do Pará.Email: nildeapoluceno@uol.com.br

Reinaldo Matias Fleuri, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutor em Educação, Professor permanente da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas. E-mail: fleuri@pq.cnpq.br. Lattes: http://lattes.cnpq.br/0966229092773143.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2010

BETTO, F. Reflexão Pós–Modernidade e novos paradigmas. São Paulo: Instituto Ethos. 2000

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 07 nov. 2019.

BRASIL. Decreto 5296 de 2004. Regulamenta as Leis no 10.048, de 8 de novembro de 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm Acesso em: 07 nov. 2019.

BRASIL. Decreto n.º 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004.../2005/decreto/d5626.htm Acesso em: 07 nov. 2019.

BRASIL. Política nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 07 nov. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 07 nov. 2019.

CANDAU, V. M. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In: A. F. MOREIRA; V. M. CANDAU (Org.). Multiculturalismo: Diferenças Culturais e Práticas Pedagógicas. Petrópolis, RJ: Vozes. 2008. p. 13-37.

DEMO, P. Política Social, Educação e cidadania. São Paulo: Papirus. 1994.

DUSSEL, E. Ética da Libertação na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis, RJ: Vozes. 2000.

FLEURI, R. M. Políticas da Diferença: Para além dos Estereótipos na Prática Educacional. Educ. Soc., Campinas, 27(95), 2006, p. 495-520. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v27n95/a09v2795.pdf. Acesso em: 07 nov. 2019.

FREIRE, P. À sombra desta mangueira. São Paulo: Olho d’água. 2001.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 38. ed. 2004

LUDKE, M. & ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPUD.1986

MALDONADO-TORRES, N. Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: J. Bernadino-Costa, J; N. MALDONADO-TORRES, N. & R. GROSFOGUEL (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 2a ed. 2019, p. 27-53.

MAZZOTA, M. J. S. Educação Especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez. 2005

MELLO, A. G. Deficiência, incapacidade e vulnerabilidade: do capacitismo ou a preeminência capacitista e biomédica do Comitê de Ética em Pesquisa da UFSC. Ciência & Saúde Coletiva, 2016, p.3265-3276. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n10/1413-8123-csc-21-10-3265.pdf. Acesso em: 07 nov. 2019.

MOREJÓN, K. O acesso e a acessibilidade de pessoas com deficiência no ensino superior público no Estado do Rio Grande do Sul. (Tese de doutorado). Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto - USP, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil, 2009. Disponível em: https://www.ffclrp.usp.br/imagens_defesas/30_05_2011__09_01_45__61.pdf. Acesso em: 07 nov. 2019.

MOSCIVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes, 5a ed.2009.

MOTA NETO, J. C. Por uma pedagogia Decolonial na América Latina: reflexões em torno do pensamento de Paulo Freire e Orlando Fals Borda. Curitiba: CRV. 2016.

OLIVEIRA, I. A. Saberes, imaginários e representações na Educação Especial: a problemática ética da “diferença” e da exclusão social (2a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

OLIVEIRA, L. F. Educação e militância decolonial. Rio de Janeiro: Selo Novo. 2018

OLIVEIRA, W. M. M. Representações Sociais de educandos surdos sobre a atuação do Intérprete Educacional no Ensino Superior. (Dissertação de mestrado). Universidade do Estado do Pará – UEPA, Belém, Pará, Brasil, 2015. Disponível em: http://www.page.uepa.br/mestradoeducacao. Acesso em: 07 nov. 2019.

UNESCO. Declaração Universal dos Direitos Humanos.1948. Disponível em: http://www.onu-brasil.org.br/documentos_direitoshumanos.php Acesso em: 07 nov. 2019.

SKLIAR, C. Pedagogia (improvável) da diferença. E se o outro não estivesse aí? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

SKLIAR, C. A inclusão que é “nossa e a diferença que é do “outro”. In: D. RODRIGUES (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre educação inclusiva. São Paulo: Summus. 2006, p. 16-34.

WALSH, C. Interculturalidade Crítica e Pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In V. M. Candau (Org.). Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras.2009.

Downloads

Publicado

02-08-2021

Como Citar

OLIVEIRA, W. M. M.; OLIVEIRA, I. A. de; FLEURI, R. M. Sentidos e Significados de Graduandos da Educação do Campo da UFPA/Cametá sobre a pessoa com deficiência. Línguas & Letras, [S. l.], v. 22, n. 52, 2021. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/linguaseletras/article/view/27127. Acesso em: 18 out. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ PARTE I - A teoria pós-colonial e a insurgência decolonial