Desigualdades Afetivas de Raízes Ancestrais: Uma Análise de Imagens e Discursos acerca de Amas de Leite e Babás na Formação do Brasil

Autores

Palavras-chave:

Babás, cinema documentário brasileiro, afetividade

Resumo


Por meio do excerto “Quase todo o Brasil cabe nessa foto” (ALENCASTRO, 1997, p. 440), Consuelo Lins inicia o documentário Babás (2010), valendo-se da iconografia do século XIX e seus resquícios na sociedade brasileira contemporânea. A partir de sua própria experiência, empreende dialogismos com a História em suas origens coloniais e escravocratas dispostas a naturalizar e demarcar estruturas sociais excludentes ancoradas em raízes ancestrais de desigualdades afetivas. Ao se valer de uma narração off e de materiais de arquivo – fotografias, jornais, vídeos pessoais e de outros –, a cineasta busca reconstruir uma imagem de país capaz de ultrapassar as fronteiras do tempo para erigir reflexões cada vez mais urgentes dada a atual conjuntura social que desconsidera os corpos e subjetividades responsáveis pela sustentação do país, como babás e empregadas domésticas, cujas ascendências remetem às amas de leite, às mucamas e às mulheres escravizadas. Ao decidir retratar e registrar empregadas próximas, Lins passa a fomentar um exercício reflexivo afeito ao passado do país e à manutenção das relações de classe que, a partir da câmera, denotam claras assimetrias de poder (FOUCAULT, 2008). Como um lugar social que alude a lugares de memórias, as babás reverberam-se em alteridades que ressignificam identidades silenciadas na formação do Brasil envolto em lacunas interseccionais (GONZÁLEZ, 1984). Desse modo, o curta-metragem parece desnudar traumas históricos continuamente revividos pela sociedade brasileira em sua formação pautada pela mistura das relações sociais e pela pretensa troca de afetividades para perpetuação de violências raciais e simbólicas.

Biografia do Autor

Meire Oliveira Silva, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP).

Áreas de Interesse:Teoria Literária e Literatura Comparada. Estudos Comparados de Cinema e Literatura. Interartes. Intermidialidades.Minibio:Doutora e Mestre em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas pela Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). Autora de Liturgia da pedra: negro amor de rendas brancas (2018) e O cinema-poesia de Joaquim Pedro de Andrade: passos da paixão mineira (2016), e também tradutora de textos literários e acadêmicos das línguas inglesa, francesa e espanhola. Desenvolve pesquisas em História do documentário brasileiro e Teoria do cinema documentário. 

Referências

AGUILAR FILHO, S. Educação, autoritarismo e eugenia: exploração do trabalho e violência à infância desamparada no Brasil (1930-1945). Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, 2011, 357 p.

AKOTIRENE, C. O que é interseccionalidade? São Paulo: Ed. Letramento, 2018.

ASSIS, M. Obras completas. Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar, 1997. 3 v.

AZEVEDO, A. O cortiço. 8. ed. São Paulo: Martim Claret, 2012.

BABÁS. Direção: Consuelo Lins. Produção: Flavia Castro. Rio de Janeiro, cor, 22 min.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Maria Galvão. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BERNARDET, J. C. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

BOSI, A. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 3. ed. 1995.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

CANDIDO, A. Literatura e sociedade. São Paulo: T. A. Queiroz, 2002.

CANDIDO, A. “De cortiço a cortiço”. In: Novos Estudos CEBRAP, n.º 30, jul. 1991, pp. 111-112.

CHARAUDEAU, P. Análise do discurso: gêneros, comunicação e sociedade. (Org.) Núcleo de Base de Análises do Discurso. Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade de Letras (POSLIN/FALE). Trad. Wander Emediato, Ida Lúcia Machado e William Menezes. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

FANON, F. Os condenados da terra. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2000.

FREYRE, G. 1933. Casa-Grande & senzala. São Paulo: Global, 2006.

GONZÁLEZ, L. “Racismo e sexismo na Cultura Brasileira”. In: RIOS, Flavia; LIMA, Márcia (Orgs.) Por um feminismo afro latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

GONZÁLEZ, L. “Democracia racial? Nada disso!”. In: RIOS, Flavia; LIMA, Márcia (Orgs.) Por um feminismo afro latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

GONZÁLEZ, L. “Alô, alô, Velho Guerreiro! Aquele abraço!” In: RIOS, Flavia; Márcia (Orgs.) Por um feminismo afro latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Rev. Tribunais, 2009.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz T. Silva; Guacira L. Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas: Unicamp, 1990.

LIMA, J. Poemas negros. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2016.

NOVAIS, F.; ALENCASTRO, Luiz Felipe. História da vida privada no Brasil. Império: a corte e a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

POLLAK, M. "Memória, esquecimento, silêncio". In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro: CPDOC, vol. 2, n. 3, 1992, pp. 03-15.

RAMOS, F. P. Mas.... afinal o que é documentário? 2. ed. São Paulo: Senac, 2013.

RAMOS, F. P. “O outro somos nós.” In: Folha de São Paulo. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/resenha/rs1110200312.htm Acesso em: 06.03.21

RANCIÈRE, J. O destino das imagens. Trad. Mônica Costa Netto. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

REIS, M. F. “A escrava” In: Revista maranhense, n. 3, 1887. In: Úrsula, 7. ed. 2018, p. 193-207 Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/autoras/24-textos-das-autoras/977-maria-firmina-dos-reis-a-escrava Acesso em: 04.03.21

SPIVAK, G. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Almeida; Marcos Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

02-08-2021

Como Citar

SILVA, M. O. Desigualdades Afetivas de Raízes Ancestrais: Uma Análise de Imagens e Discursos acerca de Amas de Leite e Babás na Formação do Brasil. Línguas & Letras, [S. l.], v. 22, n. 52, 2021. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/linguaseletras/article/view/27171. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ PARTE II - Abordagens críticas (pós) decoloniais na literatura, no ensino e na cultura