Censura na Literatura Infantil e Juvenil: Entre Livros e Labaredas

Andréia de Oliveira Alencar Iguma

Resumo

O presente ensaio nasce com o objetivo de travar uma discussão entre o surgimento da literatura infantil em terras brasileiras e persistência da censura no que tange o referido sistema literário, posto que infelizmente, ainda hoje, para muitos, a literatura infantil e a juvenil deve ter a função de ensinar de acordo com a “moral” de alguns grupos sociais. Ademais, nos interessa trazer a leitura de três obras literárias que possuem como elo a queima a livros em diferentes contextos históricos e sociais, sendo elas: O mágico de verdade(2008) de Gustavo Bernardo, Beto, o analfabeto(2008), de Drummond Amorin e Assassinato na Biblioteca(2009) de Helena Gomes, argumentamos que as queimas de livros ficcionais dialogam veementemente com a dificuldade de acesso a obras literárias em escolas públicas brasileiras e o descaso de governantes a fim de alimentarem políticas de Estados que assegurem que os alunos cadastrados em escolas públicas brasileiras tenham acesso a obra de qualidade estética. Para tanto, nos apoiaremos em trabalhos pioneiros acerca da história do livro, tais como Uma história da leitura (1997), Alberto Manguel e História da Leitura (2006), Steven R. Fischer, a fim de validarmos que queimar livros sempre foi uma prática dos detentores do poder.

Palavras-chave

ensura; Literatura Infantil; Literatura Juvenil

Texto completo:

PDF

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond de. Menino Antigo. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.

ANDRADE, Ludmila; CORSINO, Patrícia. Critérios para a construção de um acervo literário para as séries iniciais do ensino fundamental: o instrumento de avaliação do PNBE 2005. In: PAIVA, Aparecida (et al). Literatura: saberes em movimento. Belo Horizonte: Autêntica, 2007, p.79-91.

AMORIN, Drummond. Beto, o Analfabeto. Ilustrações de Sebastião Nuvens. Sabará, MG: Dubolsinho, 2008.

BERNARDO, Gustavo. O mágico de verdade. Rio de Janeiro: JPA, 2008.

CADERMATORI, Ligia. O que é literatura Infantil? São Paulo: Brasiliense, 2010.

COELHO, Nelly Novaes. A literatura infantil: histórias, teoria e análise. 3. ed. Refundida e ampl. São Paulo: Quíron, 1984.

FERREIRA. Leda Cláudia da Silva. A personagem do conto infanto-juvenil brasileiro contemporâneo: uma análise a partir de obras do PNBE/2005. Brasília – DF, novembro de 2008. Dissertação (mestrado em Teoria Literária). Universidade de Brasília, UnB.

FISCHER. Steven Roger. História da Leitura. Tradução de Claudia Freire. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

GOMES, Helena. Assassinato na Biblioteca. Rio de Janeiro: JPA, 2009.

HUNT, Peter. Crítica, Teoria e Literatura Infantil. Tradução de Cid Kniple. São Paulo: Cosacnaify, 2010.

LAJOLO, Marisa. Usos e abusos da literatura na escola: Bilac e a literatura escolar na República Velha. Rio de Janeiro: Globo, 1982.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Um Brasil para crianças: para conhecer a literatura infantil brasileira. São Paulo: Global, 1986.

______; ______. Literatura infantil brasileira: histórias e histórias. São Paulo: Ática, 1984.

MACHADO, Ana Maria. Silenciosa Algazarra: reflexões sobre livros e práticas de leitura. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MANGUEL, Alberto. Uma história da leitura. Tradução de Pedro Maia Soares. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

MINDLIN, José. No mundo dos livros. Rio de Janeiro: Agir, 2009.

SANDRONI, Laura. De Lobato a Bojunga: as reinações renovadas. 2.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

VIEIRA, Adriana Silene. O livro e a leitura nos textos de Lobato. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira (et. al). Lendo e escrevendo Lobato. Belo Horizonte: Autêntica, 1999, p.45-64.