O Ethos Universitário Nos Letramentos Acadêmicos: Reflexões Sobre a Inserção e a Formação do Estudante de Graduação no Ensino Superior

Camila Duarte de Souza, Jéssica do Nascimento Rodrigues

Resumo


De acordo com uma concepção discursiva da linguagem (BAKHTIN, 2011) e ideológica de letramento (STREET, 1984), defende-se, neste artigo, que a competência gramatical não é suficiente para que o sujeito transite por todas as diversas esferas discursivas existentes, sobretudo considerando a infinidade de seus gêneros discursivos. Não obstante essa questão, entende-se a esfera acadêmica (a universidade) como mais um espaço de dominação ideológica (PINTO, 1986), ao encontro do que asseguram os Estudos do Letramento (STREET, 1984; KLEIMAN, 2007), segundo os quais as relações hierárquicas e de poder sustentam os letramentos acadêmicos e influenciam a formação discursiva de estudantes de graduação. Dessa maneira, neste texto ensaístico, pretende-se problematizar as relações de poder existentes na universidade brasileira, enquanto instituição de ensino superior, e suas implicações nos letramentos dessa esfera, refletindo sobre os entraves para a formação e a inclusão do estudante de graduação na comunidade discursiva acadêmica. Para tanto, lançou-se mão de elementos da Teoria da Enunciação e de algumas contribuições de Pinto (1986), um notável teórico da educação que também fora professor universitário, argumentando sobre como a manutenção de um certo ethos universitário ainda apresenta limites à formação e à inclusão dos estudantes de graduação nas práticas sociais letradas da esfera acadêmica. Defende-se, portanto, que a mudança de postura da comunidade discursiva acadêmica deveria ocorrer no plano político e ideológico, revendo e reiterando as funções da instituição para, assim, gerar uma mudança real mediante criação de expedientes pedagógicos que levem a bom termo o trabalho com os gêneros discursivos acadêmicos na formação dos estudantes, futuros profissionais, para e pela práxis.

Palavras-chave


Práticas discursivas acadêmicas; Ethos universitário; Estudos do Letramento

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, M. F.; MOURA, L. de O. B. M. A escrita de artigo acadêmico na universidade: autoria x plágio. Ilha do Desterro, v.69, nº3, p.077-093, Florianópolis, set/dez 2016.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BERTOLUCI, K. N. Letramento acadêmico: leitura (s) em um curso de Pedagogia. Revista Ao Pé da Letra, v. 11, n. 2, p. 105-124, jul./dez. 2009.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

FIAD, R. S. A escrita na universidade. Revista da Abralin, v. Eletrônico, n. Especial, p. 357-369. 2ª parte 2011.

______. Algumas considerações sobre os letramentos acadêmicos no contexto brasileiro. Pensares em Revista, São Gonçalo-RJ, n. 6, p. 23-34, jan./jun. 2015.

FISCHER, A. Sentidos situados em eventos de letramento na esfera acadêmica. Educação, Santa Maria, v. 35, n. 2, p. 215-228, maio/ago. 2010.

______. Letramento acadêmico: uma perspectiva portuguesa. Revista Acta Scientiarum. Language and culture. Maringá, v. 30, n. 2, p. 177-187, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 63 ed. Rio de Janeiro; São Paulo: Paz e Terra, 2017.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 8 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

KERSCH, D. F. O letramento acadêmico na formação continuada: constituição de autoria e construção de identidades. Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo - v. 10 - n. 1 - p. 53-63 - jan./jun. 2014.

KLEIMAN, A. B. Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. Signo, Santa Cruz do Sul, v. 32 n. 53, p. 1-25, dez, 2007.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MARINHO, M. A escrita nas práticas de letramento acadêmico. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 10, n. 2, p. 363-386, 2010.

PINTO, Á. V. A questão da universidade. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1986.

RODRIGUES, J. do N. A produção de textos escritos na formação de sujeitos críticos letrados: o trabalho dos professores de língua portuguesa em foco. 2014. 450f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014.

SILVA, W. R.; PEREIRA, B. G. Letramento acadêmico no estágio supervisionado da licenciatura. Raído, Dourados, MS, v. 7, n.13, p 37 - 60 jan./jun. 2013.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 3.ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora, 2016.

SOUZA, M. G.; BASSETO, L. M. T. Os processos de apropriação de gêneros acadêmicos (escritos) por graduandos em letras e as possíveis implicações para a formação de professores/pesquisadores. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p.83-110, 2014.

STREET, B. V. Literacy in theory and practice. London: Cambridge University Press, 1984.

TARDIF, M. Saberes docentes: formação profissional. 7 ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

TFOUNI, L. V. Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez Editora, 1995.

VIANNA, C A. D.; SITO, L.; VALSECHI, M. C.; PEREIRA, S. L. M. Do letramento aos letramentos: desafios na aproximação entre letramento acadêmico e letramento do professor. In: KLEIMAN, Â. B.; ASSIS, J. A. (Orgs.). Significados e ressignificações do letramento: desdobramentos de uma perspectiva sociocultural sobre a escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2016. p. 27-59.




Direitos autorais 2020 Línguas & Letras

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Línguas & Letras

 


e-ISSN: 1981-4755 — ISSN: 1517-7238

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Cascavel
Programa de Pós-Graduação em Letras 

Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110

| revistalinguaseletras@gmail.com |