AURICULOTERAPIA: MÉTODO ALTERNATIVO PARA O COMBATE DO ESTRESSE

Autores

  • Julia Rosa Viganó Universidade Regional de Blumenau - FURB
  • Murilo Luiz Cerutti Universidade Regional de Blumenau - FURB
  • Claudine Dullius Centro de Ciências da Saúde - Universidade Estadual do Oeste do Paraná- UNIOESTE
  • Lucas Bado Centro de Ciências da Saúde - Universidade Estadual do Oeste do Paraná- UNIOESTE
  • Caroline Valente Universidade Regional de Blumenau - FURB

DOI:

https://doi.org/10.48075/aes.v2i1.23644

Palavras-chave:

Estresse Ocupacional, Auriculoterapia, Terapias Complementares

Resumo


O presente estudo procura demonstrar a auriculoterapia como um método alternativo e complementar para a redução dos níveis de estresse, considerando que esse é um fator de risco para o desenvolvimento de patologias. Teve como objetivo realizar uma revisão bibliográfica por meio de materiais publicados nas bases de dados Scielo, PubMed e Google Acadêmico, além de livros sobre o tema para a fundamentação teórica. Foram selecionados e sintetizados em um quadro com 10 trabalhos que realizaram a prática de auriculoterapia para a redução dos níveis de estresse. Constatou-se que a maioria dos trabalhos compararam tratamentos com agulhas semipermanentes e sementes, seguido de trabalhos que compararam a aplicação da técnica por meio de tratamento individualizado e tratamento com pontos protocolares. Observou-se que a maioria dos estudos utilizaram como pontos principais os pontos Shenmen, Rim e Tronco Cerebral, além do Yang do Fígado 1 e 2. A população de estudo desses trabalhos foi quase que unanime para profissionais da área de saúde, com predomínio do sexo feminino. Apesar de cada estudo apresentar um objetivo específico, fica clara a eficácia da auriculoterapia como método alternativo para o combate do estresse.

Biografia do Autor

Julia Rosa Viganó, Universidade Regional de Blumenau - FURB

Departamento de Farmácia da Universidade Regional de Blumenau - FURB

Murilo Luiz Cerutti, Universidade Regional de Blumenau - FURB

Departamento de Medicina da Universidade Regional de Blumenau - FURB

Claudine Dullius, Centro de Ciências da Saúde - Universidade Estadual do Oeste do Paraná- UNIOESTE

Departamento de Nutrição da Universidade Estadual do Oeste do Paraná- UNIOESTE

Caroline Valente, Universidade Regional de Blumenau - FURB

Departamento de Ciências Naturais da Universidade Regional de Blumenau - FURB 

Referências

- Favassa CTA, Armiliato N, Kalinine I. Aspectos Fisiológicos e Psicológicos do Estresse. Revista de Psicologia da UnC. 2005;2 (2): 84-92.

- Lipp MEN. Stress no Trabalho: Implicações para a pessoa e para a empresa. Rio de Janeiro: Zit Editora; 2005.

- Selye H. Stress: A tensão da vida. São Paulo: Ibrasa Editora; 1965.

- Lipp MEN, Malagris LNO. Stress Emocional e seu Tratamento. In B. Range (Org). Terapias Cognitivo- Comportamentais: um diálogo com a psiquiatra. São Paulo: Artes Medicas; 2001.

- Guido LA, Linch GFC, Pitthan LO, Umann J. Estresse, coping e estado de saúde entre enfermeiros hospitalares. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2011;45(6): 1434-1439.

- Kurebayashi LFS, Gnatta JR, Borges TP, Silva MJP. Eficácia da auriculoterapia para estresse segundo experiência do terapeuta: ensaio clínico. Acta Paul Enferm, 2012;25(5):694-700.

- Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: PNPIC: atitude de ampliação de acesso. Brasília, 2006b.

- Mazer E. Apostila de auriculoterapia chinesa. Curso de formação em auriculoterapia, 2011. [cited 2016 Set 18] Available from: https://pt.scribd.com/document/57841328/apostila-de-auriculoacupuntura-chinesa

- Sarturi F. Nível de estresse do enfermeiro hospitalar frente as suas competências [dissertação] [internet].Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria; 2009. [cited 2016 Set 06]. Available from: http://docplayer.com.br/11019484-Nivel-de-stress-do-enfermeiro-hospitalar-frente-a-suas-competencias.html

- Silva JJ. Stress o impulso da vida. São Paulo: Yendis; 2005.

- Rossi AM. Autocontrole: uma nova maneira de gerenciar o estresse. Rio de Janeiro: Best Seller; 2006.

- Ferreira ABH. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 3ed. Curitiba: Positivo; 2004.

- Kurebayashi LFS, Gnatta JR, Borges TP, Belisse G, Coca S, Minami A, et al. Aplicabilidade da auriculoterapia com agulhas ou sementes para diminuição de estresse em profissionais de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(1):89-95.

- Luz C. Análise dos Mecanismos Psiconeuroimunoendócrinos que Regulam a Imunidade Celular em Idosos Saudáveis [tese]. Porto Alegre: Pontífica Universidade Católica do Rio Grande do Sul; 2006.

- Morini CAT. Ativação bioenergética em meio líquido: Stress e qualidade de vida. Jundiaí: Ápice;1997.

- Trindade LL, Lautert L. Síndrome de Burnout entre os trabalhadores da Estratégia de Saúde da Família. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(2):274-279.

- Lipp MEN. Stress e suas implicações. Estudos de Psicologia. 1984;1(3-4):5-19.

- Filho MGB, Ribeiro LCS, Miranda R, Teixeira MTA. Redução dos níveis de cortisol sanguíneo através da técnica de relaxamento progressivo em nadadores. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2002;8(4):139-143.

- Lipp MEN. Manual do inventário de sintomas de stress para adultos. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2000.

- Lazarus R, Folkman S. Stress, Appraisal and Coping. New York: Springer Publishing Company; 1984.

- Limongi-frança AC. Psicologia do Trabalho: Psicossomática, Valores e Práticas Organizacionais. São Paulo: Saraiva; 2008.

- Deliberato PCP. Fisioterapia preventiva: fundamentos e aplicações. São Paulo: Manole; 2002.

- Selye H. The Stress of Life. New York: McGraw-Hill; 1956.

- Duarte AP, Nunes SMP, Oliveira AA. Prevalência da síndrome de burnout em enfermeiros atuantes em UTI. Psicologia.PT O Portal dos Psicólogos [Internet]. 2013 Jun [cited 2016 Out 13]; Availavle from: http://www.psicologia,pt/artigos/ver_artigos.php?codigo=A0696 ISSN 1646-697.

- Meneghini F, Paz AA, Lautert L. Fatores Ocupacionais associados aos componentes as síndromeS de burnout em trabalhadores de enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2011;20( 2):225-33.

- Robbins S. Comportamento Organizacional. Rio de Janeiro: Editora LTC; 1999.

- Silva DP. Trabalhador com estresse: Possibilidades de intervenção da terapia ocupacional [monografia]. Ceilândia: Universidade de Brasília; 2013.

- Araújo APS, Zampar R, Pinto SM. Auriculoterapia no tratamento de indivíduos acometidos por distúrbios osteomoleculares relacionados ao trabalho (dort)/lesões por esforços repetitivos (ler). Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama. 2006;10(1):35-42.

- Caminha R, Wainer R, Oliveira M, Piccolato N. Psicoterapias cognitivo- comportamentais teoria e prática. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2007.

- Brasil, Portaria n.971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União. 03 mai 2006.

- Luz MT. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: Novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physics: Revista de Saúde Coletiva. 2005;15 Suple: 145-176.

- Souza EAA, Luz MT. Bases Socioculturais das práticas terapêuticas alternativas. História, Ciências, Saúde – Manguinhos. 2009;16(2): 393-405.

- WHO - World Health Organization. Tradicional Medicine Strategy: 2002-2005. Geneva: WHO, 2002.

- Jayasuriya A. As bases científicas da Acupuntura. Rio de Janeiro: SOHAKU-IN Edições; 1995.

- Kurebayashi LFS. Auriculoterapia Chinesa para redução do estresse e melhoria de qualidade de vida de equipe de enfermagem: ensaio clínico randomizado[tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2013.

- Altman S. Acupuncture as an emergency treatment. California veterinarian. 1979;15(1):6-8.

- Branco CA, Fonseca RB, Oliveira TD, Gomes VL, Fernandes Neto AJ. Acupuntura como tratamento complementar nas disfunções temporomandibulares: revisão da literatura. Revista de Odontologia da UNESP. 2013;34(1):11-6.

- Maciocia G. Os fundamentos da Medicina Chinesa. São Paulo: Roca; 1996.

- Yamamura Y. Acupuntura tradicional e a arte de inserir. São Paulo: Roca; 2001.

- Junying G, Zhihong S. Medicina tradicional chinesa prática e farmacologia: teorias e princípios básicos. São Paulo: Roca; 1996.

- Lipp MEN, Malagris LN. Stress ao longo da vida. São Paulo: Ícone; 2007.

- Wen TS. Acupuntura clássica chinesa. São Paulo: Cultrix; 1992.

- Enomóto J. Auriculoterapia: Método Enomóto. São Paulo: Ícone; 2015.

- Nascimento CA. Acunpuntura como terapia complementar no tratamento dos sintomas do estresse [monografia]. São José dos Campos: Faculdade de Educação Ciência e Tecnologia; 2013.

- Campiglia H. Psique e medicina tradicional chinesa. São Paulo: Roca; 2004.

- Cordeiro A, Cordeiro RC. Acupuntura elementos básicos. São Paulo: Polis; 2001.

- Auteroche B, Navailh P. O diagnóstico na medicina chinesa. São Paulo: Andrei; 1992.

- WHO - World Health Organization. Regional Office for the Western Pacific. WHO International Starndard Terminologies on Traditional Medicine in the Western Pacific Region. Geneva; 2007

- Hicks A, Hicks J, Mole P. Five Constitucional Acupuncture. London: Churchill Livingstone; 2011.

- Neves ML. Manual prático de auriculoterapia. Porto Alegre: Ed. Do Autor; 2016.

- Hermes R. Feto invertido. Auriculoterapia: 2012. [acesso 31 Out. 2016] Disponível em: http://www.renatahermes.com.br/2012/08/auriculoterapia/

- Lopes SS. Analgesia por Acupuntura. Curitiba: Ommipax; 2013.

- Garcia E. Auriculoterapia. São Paulo: Roca; 1999.

- Capdet PPA. Estrutura do relevo auricular. Guia para encontrar os pontos da acupuntura auricular chinesa. [acesso 02 Nov. 2019] Disponível em: http://www.acupuntura-mtc.com/terapias-mtc/pontos-acupuntura auricular.php

- Abbate S. Chinese Auricular Acupuncture. New York: CRC PRESS; 2003.

- Landgren K. Explanatory models for acupuncture. Ear Acupuncture: a practical guide. New York: Elsevier; 2008.

- Santos GO, Endo EE. Auriculoterapia e Estresse: Avaliação da efetividade e tempo de duração de uma sessão. São Paulo: Instituto de Terapia Integrada e Oriental; 2009. [acesso 02 Out. 2016] Disponível em: http://www.itiomassagem.com.br/artigos/monografias/item/77- auriculoterapia-e-estresse-avaliacao-da-efetividade-e-tempo-de-duracao-de-uma-sessao-sao- paulo-sp-2009

- Maciocia G. Os fundamentos da medicina chinesa. São Paulo: Roca; 2007.

- Ferreira LRC, Martino MMF. Stress no cotidiano da equipe de enfermagem e sua relação com o cronótipo. Estudos de Psicologia. 2009; 26(1): 65-72.

- Silva DP, Silva MNRO. O trabalhador com estresse e intervenções para o cuidado em saúde. Trabalho, Educação e Saúde. 2015; 13 (Suppl.1): 201-214.

- Rodrigues VMCP, Ferreira ASS. Fatores geradores de estresse em enfermeiros de Unidades de Terapia Intensiva. Revista Latino Americana de Enfermagem. 2011;9(4): 1025-1032.

- Prado JM, Kurebayashi LFS, Silva MJP. Eficácia da auriculoterapia na redução de ansiedade em estudantes de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(5):1200-1206.

- Ferreira EAG, Vasconcellos E, Marques AP. Assessment of pain andstress in fibromyalgia patients. Revista Brasileira de Reumatologia. 2002; 42(2).

- Doria MCS. O uso da acupuntura na sintomatologia do stress [dissertação]. Campinas: Pontífica Universidade Católica; 2010.

Downloads

Publicado

27-06-2020

Como Citar

VIGANÓ, J. R.; CERUTTI, M. L.; DULLIUS, C.; BADO, L.; VALENTE, C. AURICULOTERAPIA: MÉTODO ALTERNATIVO PARA O COMBATE DO ESTRESSE. Acta Elit Salutis, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 24, 2020. DOI: 10.48075/aes.v2i1.23644. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/salutis/article/view/23644. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos de Revisão