PREVALÊNCIA DA DEFICIÊNCIA DE VITAMINA B12 EM PACIENTES DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS DE FRANCISCO BELTRÃO, PR.

Autores

  • Leila Roseli Dierings Dellani Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Nathalia Camila Dierings Desiderio Pontifícia Universidade Católica do Paraná
  • Shaiana Paula Mattiello Universidade Paranaense
  • Daiana Pierina Foppa Universidade Paranaense
  • Gisele Arruda Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.48075/aes.v2i1.23663

Palavras-chave:

Cianocobalamina, Cobalamina, Complexo Vitamínico B

Resumo


Compostos de cobalamina, designados como vitamina B12, possuem núcleo de corrina que apresenta elemento central o cobalto. Alimentos fontes de vitamina B12 são carnes, leites e ovos, mas podem ser sintetizados pelas bactérias da microbiota intestinal. As enzimas que necessitam de vitamina B12 como cofator são a metionina sintase e L-metilmalonil-coA mutase. A deficiência da vitamina B12 pode causar neuropatia periférica e sintomas psiquiátricos. O objetivo deste trabalho foi estabelecer a prevalência da deficiência de vitamina B12 em indivíduos que fizeram exame em um laboratório de análises clínicas de Francisco Beltrão, Paraná. Dados foram obtidos do relatório de resultados de exames do laboratório. O valor médio de vitamina B12 foi de 243,7±101,1 pg/mL e 7,6% estavam fora dos valores de referência. Já o valor médio de vitamina D foi de 31,1±43,8 ng/mL e 21,4% encontravam-se fora dos valores de referência. Dos 85 idosos participantes, 3,5% estavam abaixo e 7,0% acima dos valores de referência para vitamina B12, entre os 47 idosos que realizaram exame de vitamina D, a prevalência de hipovitaminose foi de 70,2%. Para evitar problemas pela deficiência destas vitaminas, estas devem estar presentes em quantidade adequadas na alimentação, ou quando necessário a suplementação pode ser utilizada.

Referências

-Mahan LK., Scott-stump S, Raymond JL. Krause: alimentos, nutrição e dietoterapia. Rio de Janeiro: Elsevier; 2018.

-Asbran. Tabela de conteúdo de vitamina b12 (cobalamina) nos alimentos. 2018. Associação Brasileira De Nutrologia. [acesso 30 mar. 2019] Disponível em: http://www.abran.org.br/images/agosto2010/vitamina%20b12.pdf.

-Degnan PH, Taga ME, Goodman AL. Vitamin B12 as a modulator of gut microbial ecology. Cell Metab. 2014;20(5):769–778.

-Zago MA, Falcão RP, Pasquini R. Tratado de hematologia. São Paulo: Atheneu; 2018.

-Paniz C, Grotto D, Schmitt GC, Valentini J, Schott KL, Pomblum VJ, Garcia SC. Fisiopatologia da deficiência de vitamina B12 e seu diagnóstico laboratorial. J Bras Patol Med. 2005; 41(5):323-34.

-Food Ingredients Brasil. O ácido fólico e a saúde. 2016. [acesso 31 mar. 2018] Disponível em: http://revista-fi.com.br/upload_arquivos/201607/2016070473044001469734812.pdf.

-Baluz K, Carmo MdasGTDo, Rosas GO. Papel do ácido fólico na prevenção e na terapêutica oncológica: revisão. Rev. bras. cancerol. 2002; 48(4):597-607.

-Martins JT, Carvalho-Silva M, Streck EL. Efeitos da deficiência de vitamina B12 no cérebro. Revista Inova Saúde. 2017; v. 6(1): 192-206.

-Nazário AR, Brittes KU, Haliski LB, Mizobuchi LS, Polonio RR. Prevalência da deficiência de vitamina B12 em indivíduos portadores de diabetes mellitus tipo 2 em uso de metformina. Rev Soc Bras Clin Med. 2018;16(2):99-103.

-Damião CP. Avaliação da frequência da deficiência de vitamina b12 nos pacientes diabéticos do tipo 2 em uso de metformina acompanhados no ambulatório de endocrinologia do HUAP-UFF. [dissertação]. Niterói: Universidade Federal Fluminense; 2015.

-Bello CT, Capitão RM, Duarte JS, Azinheira J, Vasconcelos C. Défice de vitamina B12 na Diabetes Mellitus Tipo 2. Acta Med Port. 2017;30(10):719-726.

-Barnabé A. Prevalência das deficiências de ácido fólico, vitamina B12 e ferro em diversos grupos da população brasileira, após o programa de fortificação adotado pela Anvisa. [tese]. Universidade Estadual de Campinas; 2014.

-Rodrigues CPC. Deficiência da vitamina B12 como um fator de risco na demência do idoso. [monografia]. Faculdade De Medicina Da Universidade De Coimbra; 2015

-Cassimiro JMM, Barreto Junior CA, Aguiar GPCG de, Oliveira OJN de. Deficiência de vitamina B12 em pacientes de uma enfermaria de clínica médica em Fortaleza/CE. Rev Med UFC. 2016;56(1):18-23.

-Coussirat C, Batista C, Schneider RH, Resende TdeL, Schwanke CH. Vitaminas B12, B6, B9 e homocisteína e sua relação com a massa óssea em idosos. Rev bras geriatr gerontol. 2012;15(3):577-585.

-Silva PZda, Schneider RH. O papel da vitamina D na força muscular em idosos. Acta Fisiatr. 2016;23(2):96-101.

-Pinheiro TMM. A Importância Clínica da Vitamina D. [dissertação]. Universidade Fernando Pessoa; 2015.

-Silva BCC, Camargos BM, Fujii JB, Dias EP, Soares MMS. Prevalência de Deficiência e Insuficiência de Vitamina D e sua Correlação com PTH, Marcadores de Remodelação Óssea e Densidade Mineral Óssea, em Pacientes Ambulatoriais. Arq Bras Endrocrinol Metab. 2008;52(3):482-488.

-Fermandes MG. Contribuições para diminuição da prevalência da deficiência de vitamina d em uma população assistida por uma equipe de saúde da família em Contagem/Mg. [monografia]. Universidade de Federal de Viçosa; 2016.

-Maeda SS, Borba VZC, Camargo MBR, Silva DMW, Borges JLC, Bandeira F, Lazaretti-Castro M. Recomendações da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) para o diagnóstico e tratamento da hipovitaminose D. Arq Bras Endocrinol Metab. 2014;58(5):411-433.

Downloads

Publicado

27-06-2020

Como Citar

DELLANI, L. R. D.; DESIDERIO, N. C. D.; MATTIELLO, S. P.; FOPPA, D. P.; ARRUDA, G. PREVALÊNCIA DA DEFICIÊNCIA DE VITAMINA B12 EM PACIENTES DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS DE FRANCISCO BELTRÃO, PR. Acta Elit Salutis, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 6, 2020. DOI: 10.48075/aes.v2i1.23663. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/salutis/article/view/23663. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos Originais