A FORMAÇÃO INICIAL DO PEDAGOGO E O PIBID: EXPERIÊNCIAS FORMATIVAS COM O MÉTODO MONTESSORI NA EDUCAÇÃO INFANTIL E COM ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rtm.v15i26.26169
Agências de fomento

Palavras-chave:

Formação de professores. Pibid. Método Montessori. Alfabetização.

Resumo

A partir de uma experiência com o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) no desenvolvimento de um dos subprojetos do curso de Pedagogia, da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, campus de Francisco Beltrão, que tem atuado junto a este programa há seis anos, o objetivo deste artigo é analisar e discutir as contribuições do referido programa à formação inicial do pedagogo. Para isso, tomamos como referência o processo formativo de um grupo de acadêmicos que acompanhou e participou de atividades pedagógicas em um Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI), onde tiveram contato com o método Montessori, e em duas escolas públicas em turmas de alfabetização nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Para as análises e reflexões deste trabalho, temos como base nosso olhar de observadoras e coordenadoras do subprojeto que no decorrer do desenvolvimento de atividades semanais com o grupo nos permitiu acompanhar todo o processo formativo dos acadêmicos e ouvir seus relatos sobre suas vivências no programa, além, dos momentos de reflexões sobre a prática de ensino que aconteciam. Algumas constatações sinalizam para o quanto é significativa a inserção dos acadêmicos nas instituições de ensino desde os primeiros anos de sua graduação, consolidando uma relação mais efetiva entre teoria e prática e potencializando experiências formativas mais amplas, ao mesmo tempo que constituindo a identidade de sua atuação profissional com a docência.

 

Referências

ALMEIDA, Talida. Montessori: o tempo o faz cada vez mais atual. Perspectiva, v. 1, n. 2, p. 9-19, 1984.

CAMPOS, Casemiro de Medeiros. A aula e o trabalho docente. In: _____. Saberes docentes e autonomia dos professores. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

COSTA, Magda Sueli Pereira. Maria Montessori e seu método. Linhas Críticas, Brasília, v. 7, n. 13, p. 305-320, jul/dez, 2001. Disponível em: < https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/2914/2618>. Acesso: 03 de março de 2019.

CRUZ, Giseli Barreto da. 70 anos do curso de Pedagogia no Brasil: uma análise a partir da visão de dezessete pedagogos primordiais. Educ Soc. Campinas, v. 30, n. 109, p. 1187-1208, set./dez., 2009. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/es/v30n109/v30n109a13.pdf>. Acesso: 09 de setembro de 2019.

CUNHA, Maria Isabel da. A docência como ação complexa: o papel da didática na formação de professores. In: ROMANOWSKI, Joana P. (e outros). Conhecimento local e conhecimento universal: pesquisa, didática e ação docente. Curitiba (PR): Champagnat, 2004. (XI ENDIPE, p. 31-42)

FARIAS, Isabel Maria Sabino et al. Didática e docência: aprendendo a profissão. 3.ed. Brasília: Liber Livro, 2011.

FERREIRA, Aurino Lima; ACIOLY-RÉGNIER, Nadja Maria. Contribuições de Henri Wallon à relação cognição e afetividade na educação. Revista Educar, Curitiba, n. 36, p. 21-38, 2010. Editora UFPR.

GATTI, Bernardete A.; ANDRÉ, Marli E. D. A.; GIMENES, Nelson A. S.; FERRAGUT, Laurizete. Um estudo avaliativo do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid). Fundação Carlos Chagas. São Paulo: FCC/SEP, 2014. Disponível em: <https://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/24112014-pibid-arquivoAnexado.pdf>. Acesso: 09 de setembro de 2019.

GIRARDELLO, Gilka. “Eu tenho uma coisa para contar”: inspirações para a escuta das narrativas infantis. Revista da Fundarte. Montenegro, p. 01-21, ano 20, nº 42, julho/setembro de 2020.

LIBANEO, José Carlos. Ainda as perguntas: o que é Pedagogia, quem é o pedagogo, o que deve ser o curso de Pedagogia. In: PIMENTA, Selma Garrido (Org.). Pedagogia e pedagogos: caminhos e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2002.

MONTESSORI, Maria. Pedagogia científica: a descoberta da criança. São Paulo: Editora Flamboyant, 1965.

OSTETTO, Luciana Esmeralda. Observação, registro, documentação: nomear e significar as experiências. In: OSTETTO Luciana Esmeralda (org.) Educação Infantil: saberes e fazeres da formação de professores. São Paulo: Papirus Editora, 2009.

REDIN, Marita Martins et al. Planejamento, práticas e projetos pedagógicos na Educação Infantil. 4. ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2017.

RÖHRS, Hermann. Maria Montessori. Fundação Joaquim Nabuco Recife: Massangara, 2010.

ROLDÃO, M. Currículo, didáticas e formação de professores – a triangulação esquecida? In: OLIVEIRA, M. R. N. S. (Org.). Professor: formação, saberes e problemas. Portugal: Porto, 2014. (p. 93-104).

SOARES, Magda. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2016.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Aula: gênese, dimensões, princípios e práticas. Campinas, SP: Papirus, 2011.

Downloads

Publicado

14-02-2022

Como Citar

COZER DE CAMPOS, K.; MACHADO CORTELINI CONCEIÇÃO, C. A FORMAÇÃO INICIAL DO PEDAGOGO E O PIBID: EXPERIÊNCIAS FORMATIVAS COM O MÉTODO MONTESSORI NA EDUCAÇÃO INFANTIL E COM ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. Temas & Matizes, [S. l.], v. 15, n. 26, p. 328–347, 2022. DOI: 10.48075/rtm.v15i26.26169. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temasematizes/article/view/26169. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊS:Experiências e desafios do Pibid e do Programa de Residência Pedagógica na formação de professores