O PIBID DE LETRAS-PORTUGUÊS E O PROFESSOR EM FORMAÇÃO: ANÁLISE DOS RESULTADOS OBTIDOS EM UM CURSO DE EXTENSÃO MINISTRADO POR PIBIDIANOS

Autores

Palavras-chave:

Pibid, gêneros do discurso, formação inicial, curso de extensão.

Resumo


A constituição da identidade docente é permeada por diversas vivências formativas e uma delas é norteada pelo Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid). No subprojeto de Letras-Português da Universidade Estadual de Maringá (UEM), uma das ações previstas para os pibidianos é a de ministrar cursos de extensão, pois se pressupõe que tais cursos são uma ferramenta imprescindível tanto para a internalização de conteúdos como para o desenvolvimento de saberes metodológicos. Desse modo, permitir que o pibidiano também seja um coformador é uma estratégia para garantir a apropriação do gênero trabalhado e para concretizar, ainda mais, a sua identidade docente. Assim, o objetivo deste artigo é apresentar os resultados obtidos em um curso de extensão denominado “Fundamentos teóricos-metodológicos para a escrita do gênero Artigo de Opinião”, ministrado em 2017 por dois pibidianos aos demais colegas. O referencial teórico ancora-se nos pressupostos sobre gêneros do discurso, advindos dos estudos de Bakhtin e seu Círculo (BAKHTIN, 2003; BAKHTIN; VOLOCHÍNOV, 2006) e na concepção de escrita como trabalho (FIAD; MAYRINK-SABINSON, 1991). Metodologicamente, foram realizados cinco encontros que envolveram o trabalho com a leitura e a produção textual do gênero Artigo de Opinião a 30 sujeitos participantes. Os resultados ratificam que houve a apropriação do gênero apenas por uma parte dos integrantes. Concluímos que, apesar disso, a vivência de coformadores em um curso de extensão nos propiciou desenvolver novos saberes para a profissão docente. 

Biografia do Autor

Cindy Mayumi Okamoto Luca, Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Mestranda em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPE) da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Especialista em Neuroaprendizagem pelo Centro Universitário de Maringá (UNICESUMAR). Licenciada em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Luan Tarlau Balieiro, Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Mestrando em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPE) da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Especialista em Docência na Educação Superior e em Libras pelo Centro Universitário Metropolitano de Maringá (UNIFAMMA). Licenciado em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Cláudia Valéria Doná Hila, Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Mestra em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Licenciada em Letras pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Professora do Departamento de Língua Portuguesa (DLP) da Universidade Estadual de Maringá (UEM), onde atua na Graduação em Letras, no Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS-UEM) e na Coordenação do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid - Subprojeto de Língua Portuguesa).

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M.; VOLOCHÍNOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BALIEIRO, L. T.; HILA, C. V. D. As operações linguístico-discursivas na reescrita de textos do gênero conto de mistério de alunos do 5º ano do Ensino Fundamental. Revista (Con)Textos Linguísticos, Vitória, ES, v. 14, n. 27, p. 287-306, jul. 2020.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

FABRE, C. Des variantes de brouillon au cours préparatoire. Études de Linguistique Appliquée, v. 62, p. 59-79, 1986.

FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. A escrita como trabalho. In: MARTINS, M. H. (org.). Questões de linguagem. São Paulo: Contexto, 1991. p. 54-63.

FIORIN, J. L. Argumentação. São Paulo: Contexto, 2015.

FLORES, M. A. Aprender a ser professor: dilemas e (des)continuidades. Revista de Estudos Curriculares, Portugal, v. 1, n. 2, p. 189-212, 2003.

GHEDIN, E. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2006. p. 129-150.

MARTINS, E. C. de R. História, historiografia e pesquisa em educação histórica. Educar em Revista, Curitiba, PR, v. 35, n. 74, p. 17-33, mar./abr. 2019.

MENEGASSI, R. J.; GASPAROTTO, D. M. Revisão textual-interativa: aspectos teórico-metodológicos. Domínio de Linguagens, Uberlândia, MG, v. 10, n. 3, p. 1019-1045, ago. 2016.

MILLER, C. Estudos sobre gênero textual, agência e tecnologia. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2009.

NÓVOA, A. A formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (org.). Os professores e sua formação. 2. ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1995. p. 15-34.

PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PLACCO, V. M. N. de S. Verbete ‘formação em serviço’. In: OLIVEIRA, D. A; DUARTE, A. C.; VIEIRA, L. F. (Orgs.). Dicionário “Trabalho, profissão e condição docente”. Belo Horizonte: GESTRADO/UFMG, 2010.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

Downloads

Publicado

14-02-2022

Como Citar

MAYUMI OKAMOTO LUCA, C.; TARLAU BALIEIRO, L.; DONÁ HILA, C. V. O PIBID DE LETRAS-PORTUGUÊS E O PROFESSOR EM FORMAÇÃO: ANÁLISE DOS RESULTADOS OBTIDOS EM UM CURSO DE EXTENSÃO MINISTRADO POR PIBIDIANOS. Temas & Matizes, [S. l.], v. 15, n. 26, p. 213–231, 2022. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temasematizes/article/view/26195. Acesso em: 1 jul. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊS:Experiências e desafios do Pibid e do Programa de Residência Pedagógica na formação de professores