PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DE CONSUMO ALIMENTAR DE JOGADORES VIRTUAIS LEAGUE OF LEGENDS (JOGOS ELETRÔNICOS)

Autores

  • Ícaro Ribeiro Rocha Dias Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.
  • Grasiele Carmo da Silva Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitoria da Conquista-Bahia.
  • Luiz Gustavo Vieira Cardoso Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.
  • Vivian Francielle França Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.
  • Laís Ferraz Brito Sousa Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitoria da Conquista-Bahia.
  • Leonardo Silva Rocha Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitoria da Conquista, Bahia, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.48075/aes.v4i1.27198

Palavras-chave:

Antropometria, Consumo alimentar, Atletas.

Resumo


O League of Legends é um jogo eletrônico que exige várias horas diárias de treinamento em frente ao computador levando seus praticantes a um estilo de vida sedentária. Hábitos de vida sedentários associados a uma má alimentação gera uma predisposição maior ao sobrepeso. O presente estudo tem como objetivo avaliar o perfil antropométrico e consumo alimentar de atletas de League of Legends. Trata se de um estudo transversal realizado com jogadores da cidade de Vitória da Conquista-BA. Os participantes foram submetidos a avaliação antropométrica e do consumo alimentar. Para avaliação antropométrica foram mensurados peso, altura, circunferências e dobras cutâneas. Para determinar ingestão calórica, de macronutrientes e micronutrientes, foram utilizados questionário de frequência alimentar e registro alimentar. Foi observado que os jogadores apresentavam sobrepeso segundo IMC (25,3 ± 6.04 kg/m²) e percentual de gordura corporal bastante heterogêneos (17,6 ± 0,72 %), classificado como “abaixo da média”. Em relação ao padrão de ingestão alimentar, os grupos alimentares dos tubérculos, frutas, castanhas e amêndoas apresentaram menores taxas de consumo diário; o registro alimentar identificou inadequações nos três macronutrientes, assim como nos micronutrientes magnésios, sódio e vitamina B3. O presente estudo identificou desbalanço tanto no perfil antropométrico quanto no perfil nutricional dos jogadores.

Biografia do Autor

Ícaro Ribeiro Rocha Dias, Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Nutricionista pela Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Grasiele Carmo da Silva, Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitoria da Conquista-Bahia.

Graduanda em Nutrição pela Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitoria da Conquista-Bahia.

Luiz Gustavo Vieira Cardoso, Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Nutricionista e Doutor em Saúde Pública, Professor do curso de Nutrição da Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Vivian Francielle França, Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Nutricionista e Doutora em Nutrição, Professora do curso de Nutrição da Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Laís Ferraz Brito Sousa, Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitoria da Conquista-Bahia.

Nutricionista Doutoranda em Ciências Fisiológicas pela Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitoria da Conquista-Bahia.

Leonardo Silva Rocha, Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitoria da Conquista, Bahia, Brasil.

Nutricionista graduado pela Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde, Campus Anísio Teixeira, Vitoria da Conquista, Bahia, Brasil. Mestre em Bioquímica e Biologia Molecular pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Professor do Curso de Nutrição da Faculdade de Tecnologia e Ciências, Campus de Jequié – Bahia.

Referências

Referências

Barboza E, Silva A. A evolução tecnológica dos jogos eletrônicos: do videogame para o newsgame. 5º Simpósio Internacional de Ciberjornalismo, 2014.

Jensen L. E-Sports: profissionalização e espetacularização em competições eletrônicas. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2017. Dissertação de Mestrado.

Ferrari S. From Generative to Conventional Play: MOBA and League of Legends. In: Digra Conference. 2013.

Funk, D.C.; Pizzo, A.D.; Baker, B.J. e-Sport management: Embracing eSport education and research opportunities. Sport Management Review. 2018; 21 (1):7-13.

Saraiva PAC. E-sports: um fenômeno da cultura digital contemporânea. Lisboa: Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), 2013. Dissertação de Mestrado.

Rivera IR, Silva MAM, Silva RATA, Oliveira BAV, Carvalho ACC. Atividade física, horas de assistência à TV e composição corporal em crianças e adolescentes. Arq Brasileiro de Cardiologia. 2010; 95(2).

Smith-Menezes A, Duarte MFS, Silva RJS. Inatividade física, comportamento sedentário e excesso de peso corporal associados à condição socioeconômica em jovens. Rev Brasileira de Educação Física e Esporte. 2012; 26(3):411-418.

Santos MG, Pegoraro M, Sandrini F, Macuco EC. Fatores de risco no desenvolvimento da aterosclerose na infância e adolescência. Arq Brasileiro de Cardiologia. São Paulo. 2008; 90(4):301-308.

Gonçalves ECA, Rinaldi W, Nunes HEG, Capdesboscq MC, Silva DAS. Baixos níveis de atividade física em servidores públicos do sul do Brasil: associação com fatores sociodemográficos, hipercolesterolemia e diabetes. Rev Andaluza de Med Del Deporte. 2017; 10(2):54-59.

Oliveira TC, Silva AAM, Santos CJN, Silva JS, Conceição IO. Atividade física e sedentarismo em escolares da rede pública e privada de ensino em São Luís. Rev de Saúde Pública. 2010; 44(6):996-1004.

Freire RS, Lélis FLO, Filho JAF, Nepomuceno MO, Silveira MF. Prática regular de atividade física: estudo de base populacional no Norte de Minas Gerais, Brasil. Rev Brasileira de Med do Esporte. 2014; 20(5): 345-349.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância alimentar e nutricional - Sisvan: orientações básicas para a coleta, processamento, análise de dados e informação em serviços de saúde. Brasília. Ministério da Saúde. 2004.

World Health Organization. Obesity. Preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation on obesity. WHO/NUT/NCD/981, WHO, Geneva. 1998.

Durnin, JVGA, Wormersley J. Body fat assessed from total body density and its estimation from skinfold thickness: measurements on 481 men and women aged from 16 to 72 years. British Journal of Nutrition. 1974; 32: 77-79.

Siri WE. Body composition from fluid spaces and density: analysis of methods. In: Brozek J. E.; Henschel, A. Technique for measuring body composition. Washington. National Academy of Science. 1961;.223-244.

Food and Agriculture Organization. Human Energy Requirements. Report of a Joint FAO/WHO/UNU. Expert Consultation. FAO Technical Report Series 1. Rome. 2004.

Institute of Medicine (IOM). Dietary Reference Intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein, and amino acids (macronutrients). Washington. DC. National Academies Press. 2002.

Institute of Medicine (IOM). Dietary Reference Intakes for Vitamin A, Vitamin K, Arsenic, Boron, Chromium, Copper, Iodine, Iron, Manganese, Molybdenum, Nickel, Silicon, Vanadium, and Zinc. Washington. DC. National Academies Press. 2001.

Porto TNRS, Cardoso CLR, Baldoino LS, Martins VS, Alcântara SML, Carvalho DP. Prevalência do excesso de peso e fatores de risco para obesidade em adultos. Rev Eletrônica Acervo Saúde. 2019. 22:308.

Silva AF, Santos VS. Qualidade nutricional de dietas da moda veiculadas em revistas não científicas. Rev de Saúde e Ciências Biológicas. 2021; 9 (1): 1-5.

Mahan, LK; Raymond JL. Krause Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 14ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2018.

Bielemann RM, Motta JVS, Minten GC, Horta BL, Gigante DP. Consumo de alimentos ultraprocessados e impacto na dieta de adultos jovens. Rev de Saúde Pública. 2015; 49(28).

Brasil, Ministério da Saúde. Guia Alimentar para a População Brasileira. – Promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Gan Y, Tong X, Li L, Cao S, Yin, X, Gao C et al. Consumption of fruit and vegetable and risk of coronary heart disease: A meta-analysis of prospective cohort studies. International Journal of Cardiology. 2015; 183:129–137.

World Health Organization (WHO). Global strategy on diet, physical activity and health. Geneva. 2004.

Pereira ALD, Fassani P, Adami FS. Benefícios para a saúde associados ao consumo de oleaginosas. Rev Uningá. 2016; 50: 82-85

Downloads

Publicado

11-06-2021

Como Citar

RIBEIRO ROCHA DIAS, Ícaro; CARMO DA SILVA, G.; GUSTAVO VIEIRA CARDOSO, L.; FRANCIELLE FRANÇA, V.; FERRAZ BRITO SOUSA, L.; SILVA ROCHA, L. PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DE CONSUMO ALIMENTAR DE JOGADORES VIRTUAIS LEAGUE OF LEGENDS (JOGOS ELETRÔNICOS). Acta Elit Salutis, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 1–12, 2021. DOI: 10.48075/aes.v4i1.27198. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/salutis/article/view/27198. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos Originais