Formação de professores nas Ciências Humanas e Sociais: sujeitos e processos formativos para a Educação do Campo

Autores

  • Joselene Ieda Santos Lopes Carvalho Unioeste

Palavras-chave:

Ciências Humanas. Ciências Sociais. Formação de Professores. Educação de qualidade.

Resumo


O presente artigo tem como objetivo principal proporcionar reflexões acerca da contribuição dos professores das Ciências Humanas e Sociais para a educação do campo. Portanto, em um primeiro momento, viso discutir como os grupos sociais do campo, em especial o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) se organizaram e compreenderam que a luta pela terra necessita ser conjunta à luta pela educação. Deste modo, compreendo que a formação de professores para atuar juntamente com os movimentos sociais discutindo a importância do ensino e pesquisa serem atrelados tornou-se objetivo primordial neste trabalho. Como metodologia, propus discutir Florestan Fernandes e Paulo Freire como exemplos de professores pesquisadores que estiveram em constante luta por uma educação gratuita e de qualidade. No atual contexto em que a educação caminha cada vez mais para se tornar mercadoria, é necessário que as Ciências das Humanidades ocupem o espaço que as cabe de dizer não à privatização e a questionar os programas elaborados pelo governo e o tipo de educação que querem propor para lidarmos em sala de aula. Sendo assim elementos como a subjetividade e a objetividade na construção do ensino e da pesquisa se fazem significativos para pensarmos a formação de professores engajados e que lutem pela emancipação do homem. 

Biografia do Autor

Joselene Ieda Santos Lopes Carvalho, Unioeste

Doutoranda em História pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Pesquisadora vinculada à Linha de Trabalho e Movimentos Sociais.

Referências

BLOCH, Marc. Apologia da história, ou, o Ofício do historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

CALDART, Roseli. A escola do campo em movimento. In: Currículo sem Fronteiras, v.3, n.1, pp.60-81, Jan/Jun 2003.

CALDART, Roseli S. Intencionalidades na Formação de Educadores do campo. ITERRA; Veranópolis, 2007.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

FREIRE, Paulo. NOGUEIRA, Adriano. Que fazer? Teoria e prática em educação popular. Editora Vozes: Petrópolis, 1993.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e terra, 1996.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere- Americanismo e fordismo. In: Maquiavel. Notas sobre o Estado e a Política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

HOBSBAWM, Eric. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

IANNI, Octávio. A sociologia de Florestan Fernandes. Estudos Avançados 10 (26), 1996.

MARX, Karl. A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stiner, e do socialilsmo alemão em seus diferentes profetas; 1845-1846. São Paulo: Boitempo, 2007.

SAVIANI, Dermeval. Florestan Fernandes e a educação. Estudos Avançados 10 (26), 1996.

THOMPSON, Edward P. A situação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1987-1989.

Downloads

Publicado

28-12-2017

Como Citar

CARVALHO, J. I. S. L. Formação de professores nas Ciências Humanas e Sociais: sujeitos e processos formativos para a Educação do Campo. Temas & Matizes, [S. l.], v. 11, n. 21, p. 16–23, 2017. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temasematizes/article/view/18115. Acesso em: 19 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Rumos da Educação Brasileira: A formação de professores em Discussão