Estratégias de ensino em disciplina do curso de mestrado educação em ciências na Amazônia: percepção de estudantes

Augusto Fachín Terán

Resumo

Resumo: : O nosso objetivo foi apresentar evidências sobre a eficácia das estratégias de ensino usadas para a aprendizagem dos estudantes e qual é sua percepção sobre as metodologias usadas numa disciplina do curso de mestrado Educação em Ciências na Amazônia. O estudo é do tipo qualitativo, com abordagem interpretativa, realizado com duas turmas de mestrado. Os dados foram coletados através de um questionário com perguntas abertas e fechadas direcionadas aos discentes, o mesmo que foi aplicado no último dia de aula. Os estudantes apontaram que durante as aulas foi facilitada a fixação do conteúdo em função da metodologia utilizada e que isto influenciou no seu comportamento, tornando-os mais críticos, estudiosos e exigentes.

Palavras-chave: Docência; Espaços educativos; Espaços Não Formais; Ensino de Ciências; Estratégias de ensino.

 

Teaching strategies used in a postgraduate course of the masters degree in science education in the Amazon: student's perception

Abstract: : Our objective was to present evidence on the efficacy of teaching strategies used for the students' learning and how they perceive the methodologies used in a course of the Master's Degree Science Education in the Amazon. This is qualitative type study with an interpretative approach, carried out with two masters classes. The data were collected through a questionnaire with open and closed questions directed to the students, it was applied on the last day of class. The students pointed out that during the lessons the content was fixed according to the methodology used and influenced their behavior, making them more critical, studious, and demanding.

Keywords: Teaching; Educational spaces; Non-Formal Spaces; Science teaching; Teaching strategies.

 

Palavras-chave

Docência; Espaços educativos; Espaços Não Formais; Ensino de Ciências; Estratégias didáticas.

Texto completo:

PDF

Referências

ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P. Estratégias de ensinagem. In: ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P. (orgs.). Processos de ensinagem na universidade. Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 3. ed. Joinville: Univille, 2004. p. 67-100.

ANDRADE, A. N. et al. Experiência de ensino-aprendizagem sobre problemáticas ambientais urbanas no corredor ecológico urbano do igarapé do Mindu, Manaus, AM. Educação ambiental em ação, v. XV, n. 59, p. 1-8, 2017.

CARVALHO, M. P. Trabalho docente e as relações de gênero, Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v.1, n.2, p. 77-84, 1996.

FAGUNDES, S. M. K. Experimentação nas aulas de ciências: um meio para a formação da autonomia? In: GALIAZZI, M. do C. et al. Contribuição curricular em rede na educação em ciências: uma aposta de pesquisa em sala de aula. Ijuí: Unijuí, 2007.

FAHL, D. D. Modelos de Educação Escolar em Ciências. In Marcas do ensino escolar de Ciências presentes em Museus e Centros de Ciências. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

FALK, J. H.; DIERKING, L. D. Learning from Museums: visitor experiences and the making of meaning. Boston/aryland: Altamira Press, 2000.

FENILI, R. M.; SCÓZ, T. M. X. Quem Aprende. Quem Ensina? Avaliando uma metodologia de ensino, Revista Nursing, v.71, n.7, p.48-54, 2004.

FERNANDES, J. A. B. Você vê essa adaptação? A aula de campo em ciências entre o retórico e o empírico. 2007. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

GASPAR, A. Museus e Centros de Ciências – conceituação e proposta de um referencial teórico. 1993. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. São Paulo, 1993.

GONZAGA, L. T.; FACHÍN-TERAN, A. Espaços não formais: contribuições para educação científica em educação infantil. In: FACHÍN-TERÁN, A.; SANTOS, S. C. S. (orgs.). Novas perspectivas de ensino de ciências em espaços não formais amazônicos. Manaus, AM: UEA Edições, 2013. s.p.

GUIMARÃES, L. M. A. Trabalhos de campo em bacias hidrográficas: os caminhos de uma experiência em educação ambiental. 1999. Dissertação (Mestrado em Geociências) - Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

LIBÂNEO, J. C. Didática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

LOPES, G. C. L. R.; ALLAIN, L. R. Lançando um olhar crítico sobre as saídas de campo em biologia através do relato de uma experiência. In: ENCONTRO PERSPECTIVAS DO ENSINO DE BIOLOGIA, 8., 2002, São Paulo. Anais... São Paulo: FEUSP, 2002. s.p.

MACIEL, H. M.; FACHÍN-TERÁN, A. O Potencial Pedagógico dos Espaços Não Formais da Cidade de Manaus. Curitiba, PR: CRV, 2014.

MASETTO, M. T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. São Paulo: Papirus, 2000. s.p.

MOREIRA, A. E. C. Relações entre as estratégias de ensino do professor, com as estratégias de aprendizagem e a motivação para aprender de alunos do ensino fundamental 1. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Educação, Comunicação e Artes, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2014.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: A teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro, 2011.

NASCIMENTO, Í. C. S.; SILVA, J. D.; COSTA, W. P. L. B. Formação e estratégias de ensino do professor de contabilidade: uma visão dos discentes do curso de Ciências Contábeis das IES de Mossoró/RN. Revista Conhecimento Contábil, Mossoró/RN, UERN; UFERSA, v.3, n.2, p. 16-31, 2016.

NERICI, I. G. Didática, Trabalho e Democracia. São Paulo: Nobel, 1977.

PAJARES, F.; SCHUNK, D. H. Self-beliefs and school success: Self-efficacy, selfconcept, and school achievement. In: RIDING, R.; RAYNER, S. (orgs.). Perception. London: Ablex. 2001. s.p.

PANDINI, C.; ROESLER, J. (org.). Métodos, estratégias e procedimentos didáticos. Tradução de Vania Ben. Palhoça: UnisulVirtual, 2007.

PETRUCCI, V. B. C.; BATISTON, R. R. Estratégias de ensino e avaliação de aprendizagem em contabilidade. In: PELEIAS, I. R. (org.) Didática do ensino da contabilidade. São Paulo: Saraiva, 2006. s.p.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002.

REIGOTA, M. Meio Ambiente e Representação Social. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

ROCHA, S. C. B.; FACHÍN-TERÁN, A. O uso de espaços não-formais como estratégia para o ensino de ciências. Manaus: UEA/Escola Normal Superior/PPGEEC, 2010.

ROSA, R. V. M. Feminização do magistério: representações e espaço docente. Revista Pandora Brasil, edição especial, n. 4, s.p., 2011.

SANTOS, S. A. M. A excursão como recurso didático no ensino de biologia e educação ambiental. In: ENCONTRO PERSPECTIVAS DO ENSINO DE BIOLOGIA, 8., 2002, São Paulo. Anais... São Paulo: FEUSP, 2002. s.p.

SENICIATO, T.; CAVASSAN, O. Aulas de campo em ambientes naturais e aprendizagem em ciências: um estudo com alunos do ensino fundamental. Ciência e Educação, Bauru, v.10, n.1, p. 133-147, 2004.

SILVA, F. S. et al. Corredor ecológico urbano do Mindu: um relato de experiência sobre práticas de educação ambiental. Educação ambiental em ação, v. XVII, p. 1-15, 2018.

VIVEIRO, A. A. Atividades de campo no ensino das ciências: investigando concepções e práticas de um grupo de professores. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) - Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2006.

ZORATTO, F. M. M.; HORNES, K. L. Aula de campo como instrumento didático-pedagógico para o ensino de geografia. In: Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE. Paraná, 2014. v.1. Cadernos PDE.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.