Tecnologias digitais como possibilidade para compreender a produção de conhecimento em matemática

Rosa Monteiro Paulo, Ingrid Cordeiro Firme, Cristiano Natal Tonéis

Resumo

Resumo: Neste artigo discutimos o modo pelo qual se pode compreender o sentido das Tecnologias Digitais (TD) e sua potencialidade para a produção de conhecimento em matemática, especificamente no contexto da sala de aula e da formação de professores. Destaca-se que a produção, na perspectiva fenomenológica, é entendida como um movimento dinâmico que acontece no mundo da experiência vivida (BICUDO, 2000), enfatizando que sendo humanos é de onde podemos falar: da realidade mundana (HEIDEGGER, 2005). O mundo, como campo de vivência e possibilidade de o sujeito pensar e se expressar se abre à compreensão e os sentidos e significados vão se articulando nos atos vivenciais. O mundo, sempre compartilhado com os outros (seres e objetos), é o horizonte de possibilidades de ser e de conhecer. Nesse horizonte as TD são objetos intencionais, abertas à percepção e compreensão. São tematizadas e se expõem segundo um modo de dar-se a conhecer.

Palavras-chave: Educação Matemática; Fenomenologia; Jogos Digitais; Formação de Professores.

 

Digital technologies as a possibility to understand the knowledge production in mathematics

Abstract: In this article we discuss the way in which one can understand the meaning of Digital Technologies (DT) and its potential for the production of knowledge in mathematics, specifically in the context of the classroom and teacher training. It is emphasized that production, in the phenomenological perspective, is understood as a dynamic movement that happens in the world of lived experience (BICUDO, 2000), emphasizing that being human is where we can speak: from mundane reality (HEIDEGGER, 2005). The world as a field of experience and the possibility of the subject to think and express itself opens to understanding and the meanings and meanings are articulated in the acts of experience. The world, always shared with others (beings and objects), is the horizon of possibilities of being and knowing. Within this horizon DT are intentional objects, open to perception and understanding. They are thematized and exposed according to a way of making themselves known.

Keywords: Mathematical Education; Phenomenology; Digital Games; Teacher Training.

 

Palavras-chave

Educação Matemática; Fenomenologia; Jogos Digitais; Formação de Professores

Texto completo:

PDF

Referências

ANASTÁCIO, M. Q. A. Três Ensaios numa articulação sobre a racionalidade, o corpo e a Educação Matemática. 1999. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

BICUDO, M. A. V. Fenomenologia confrontos e avanços. São Paulo: Cortez, 2000.

BICUDO, M. A. V. Formação do professor: um olhar fenomenológico. In: BICUDO, M. A. V. (org.). Formação de Professores? Da incerteza à compreensão. Bauru: EDUSC, 2003. p. 7-46.

BICUDO, M. A. V. Meta-análise: seu significado para a pesquisa qualitativa. Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática, Florianópolis, v. 9, p. 7-20, 2014.

BICUDO, M. A. V; ROSA, M. A presença da Tecnologia na Educação Matemática: efetuando uma tessitura com situações-cena do filme Avatar e vivências em um curso a distância de formação de professores. Alexandria, Florianópolis, v. 6, p. 61-104, 2013.

BONILLA, M. H. Inclusão Digital e formação de professores. Revista de Educação, Lisboa, v. XI, n. 1, p. 43-50, 2002.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

BROWN, S. L. Play: How it shapes the brain, opens the imagination, and invigorates the soul. Penguin, 2009.

FERREIRA, M. J. A. A produção do conhecimento matemático ao ser-com as Tecnologias Digitais. 2019. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2019.

FIRME, I. C. A atualização do PROUCA nas escolas estaduais do Estado de São Paulo. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2015.

GRANDO, R. C. Concepções quanto ao uso de jogos no ensino da Matemática. Revista de Educação Matemática, São Paulo, v. 10, p. 45-52, 2007.

GRANDO, R. C. Jogos Computacionais na Educação Matemática. Revista de Educação ANEC, Brasília, v. 151, p. 103-112, 2009.

GRANDO, R. C. Recursos didáticos na Educação Matemática: jogos e materiais manipulativos. Revista Eletrônica Debates em Educação Científica e Tecnológica, v.05, p. 393-416, 2015.

HEIDEGGER, M. Conferências e escritos filosóficos. Tradução e notas Ernildo Stein. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. Tradução de Márcia de Sá Cavalcante. Petrópolis: Vozes, 2005.

KIRSCHNER, P. A. Do we need teachers as designers of technology enhanced learning? Instructional Science, Amsterdam, n. 43, p. 309-322, 2015.

KIRSCHNER, P. A., DE BRUYCKERE, P. The myths of the digital native and the multitasker. Teaching and Teacher Education, New York, n. 67, p. 135-142, 2017.

LÉVY, P. Cibercultura. Tradução Carlos Irineu da Costa. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 1999.

MARQUES, A. C. C. O Projeto Um Computador por Aluno UCA: reações na escola, professores, alunos, institucional. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

NEGROPONTE, N. A vida digital. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

NOVAK, T. C. U. N.; PASSOS, A. M. A Utilização Do Origami No Ensino Da Geometria: Relatos De Uma Experiência. 2007. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2019.

ORLOVSKI, N.; KALINKE, M. A.; MOCROSKY, L. F. O Uso das Novas Tecnologias: um olhar para a formação do professor que ensina Matemática nos anos iniciais. Revista Paranaense de Educação Matemática, Campo Mourão, v. 3, n. 4, p. 70-88, 2014.

PAPERT, S. A Família em Rede. Lisboa: Relógio D'água Editores, 1997.

PINHEIRO, J. M. L. O movimento e a percepção do movimento em ambientes de Geometria Dinâmica. 2018. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2018.

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants. On the Horizon. NCB University Press, v. 9, n. 5, p. 1-6, 2001.

ROSA, M.; BICUDO, M. A. V. Focando a constituição do conhecimento matemático que se dá no trabalho pedagógico que desenvolve atividades com tecnologias digitais. In: PAULO, R. M.; FIRME, I. C.; BATISTA, C. C. (orgs.). Ser professor com tecnologias: sentidos e significados. São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, 2018. p. 13- 44. ePUB.

ROWLANDS, I. et al. The Google generation: the information behaviour of the researcher of the future. 2008.

SALEN, K; ZIMMERMAN, E. Rules of play: Game Design Fundamentals. Cambridge, MA: MIT Press, 2003.

SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

SÃO PAULO. Matemática: ensino fundamental. Secretaria da Educação, Caderno do Professor – 9° ano. São Paulo: SEE, v. 2, 2017.

SCHOENFELD, A. Por que toda esta agitação acerca da resolução de problemas? In: ABRANTES, P.; LEAL, L. C.; PONTE, J. P. (eds.). Investigar para aprender matemática. Lisboa: APM e Projecto MPT, 1996. p. 61-72.

TEZANI, T. C. R. Nativos Digitais: Considerações sobre os alunos contemporâneos e a possibilidade de se (re) pensar a prática pedagógica. Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 19, n. 2, p. 295-307, jul./dez. 2017.

TONÉIS, Cristiano N. O design de Puzzles nos jogos digitais. SBC – Proceedings of SBGames 2016, São Paulo, p. 404-411, sept. 2016.

WENNER, M. The serious need for play. Scientific American Mind, v. 20, n. 1, p. 22-29, 2009.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.