Aprendizagem da álgebra segundo Raymond Duval

Autores

  • Celia Finck Brandt Universidade Estadual de Ponta GRossa
  • Méricles Thadeu Moretti

DOI:

https://doi.org/10.33238/ReBECEM.2018.v.2.n.1.19419

Resumo


Resumo: O artigo apresenta especificidades para o ensino da álgebra. Essas ideias contemplam uma abordagem cognitiva necessária para a aprendizagem da álgebra de acordo com Raymond Duval. Segundo o autor o ponto de vista cognitivo é incompatível com o ponto de vista matemático segundo o qual os objetivos globais são resolver equações e, para isso o importante é conhecer as letras. De acordo com o ponto de vista cognitivo o conhecimento das letras não é o objetivo principal. Para o autor a operação cognitiva de designação de objetos e relações é essencial. Também é preciso levar os alunos a elaborarem problemas, trabalhar com fórmulas, com tabelas de dupla entrada e com listas abertas para colocar em cena a função de condensação do padrão de regularidade na qual as letras entram para designar esse padrão. No texto são contemplados exemplos e dados empíricos resultantes de pesquisa desenvolvida pelos autores na aplicação das ideias em situações de ensino.Palavras-chave: Aprendizagem da álgebra; Operações de designação; Abordagem semio-cognitiva. Learning algebra, according to Raymond DuvalAbstract: This article presents certain aspects for the teaching of algebra. The following ideas contemplate a cognitive approach, which is necessary for learning algebra, according to Duval. The author defends that the cognitive perspective is incompatible with the mathematical perspective, whose global objective is to solve equations; to achieve that goal, the important thing is to know the given letters. According to the cognitive point of view, the knowledge of letters is not the main objective. For the author, the cognitive operation of designating objects and relations is essential. One must also get students to work out problems and work with formulas, double-entry tables, and open lists, in order to prioritize the function of condensing the regularity pattern, in which the letters come in to designate exactly this pattern. In the article, there are examples and empirical data, resulting from a research developed by the authors in the application of ideas in teaching situations.Keywords: Learning algebra; Designation operations; Semio-cognitive approach. 

Referências

DUVAL, R. Semiosis y pensamiento humano: registros semióticos y aprendizajesintelectuales. Santiago de Cali: Peter Lang, 2004.

DUVAL, R. Ver e ensinar a matemática de outra forma: entrar no modo matemático de pensar os registros de representações semióticas. Org. Tânia M. M. Campos. Trad. Marlene Alves Dias. São Paulo: Proem Editora, 2011a.

DUVAL, R. Deux regards opposes sur les points critiques sur l’enseignement de l’algébre au collège (11-15 ans). Palestra proferida no Programa de Pós Graduação em Educação Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso em 2011b.

DUVAL, R. Raymond Duval e a teoria dos registros de representação semiótica. Revista Paranaense de Educação Matemática – RPEM, Campo Mourão, v. 2, n. 3. p. 10-34, 2013.

DUVAL, R.; CAMPOS, T. M. M.; BARROS, L. G. X.; DIAS, M. A. Ver e ensinar a matemática de outra forma: introduzir a álgebra no ensino: qual o objetivo e como fazer isso.org. Tânia M. M. Campos. 1ed. São Paulo: PROEM, 2015.

FREGE, G. Écritslogiques et philosophiques. Tradução de Claude Imbert. Paris: Seuil, 1971.

LEMES, N. dos S.; CEDRO, W. L. Professores de matemática em atividade de ensino de álgebra: apropriações da teoria histórico-cultural. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 28, n. 2, p. 133-154, jun. 2015.

LOTMAN, Y. M. The universe of the mind: a semiotic theory of culture. Trad. Ann Shukman. Londres: I. B. Tauris & Co. LTD, 1990.

MERRELL, F. IúriLótman, C. S. Peirce e semiose cultural. Galáxia, São Paulo (PUC/SP), n. 5, p. 163-185, abr. 2003.

MORETTI, M. T. A Translação como recurso no esboço de curvas por meio da interpretação global de propriedades figurais. In: MACHADO, Silvia D.A. de. (Org.). Aprendizagem em matemática: registros de representação semiótica. Campinas: Papirus, 2003, p. 149-160.

PONTE, J. P.; BRANCO, N.; MATOS, A. Álgebra no ensino básico. Ministério da Educação: Direção Geral de Desenvolvimento e Inovação Curricular (DGDIC), 2009.

RIBEIRO, A. J. Álgebra e seu ensino: dando eco às múltiplas “vozes” da educação básica. REnCiMa, São Paulo, Edição Especial: Educação Matemática, v.7, n.4, p. 1-14, 2016.

RIBEIRO, A. J.; CURY, H. N. Álgebra para a formação do professor. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

SAUSSURE, F. de. Curso de linguística geral. Tradução de A. Chelini, J. P. Paes, I. Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2008.

Downloads

Publicado

03-05-2018

Como Citar

BRANDT, C. F.; MORETTI, M. T. Aprendizagem da álgebra segundo Raymond Duval. Revista Brasileira de Educação em Ciências e Educação Matemática, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 1–26, 2018. DOI: 10.33238/ReBECEM.2018.v.2.n.1.19419. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/rebecem/article/view/19419. Acesso em: 17 out. 2021.