Uma discussão de discussões de professores de Matemática que analisam produções escritas em um grupo de trabalho

Autores

  • Mauro Luís Borsoi Britto IFMS
  • João Ricardo Viola dos Santos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.33238/ReBECEM.2018.v.2.n.1.19430

Palavras-chave:

Análise da Produção Escrita, Formação de Professores de Matemática, Grupo de Trabalho, Modelo dos Campos Semânticos

Resumo


Resumo: O objetivo deste trabalho é investigar discussões de professores de matemática em um grupo de trabalho no qual analisam produções escritas em matemática. Sob uma análise qualitativa de pesquisa, os dados foram produzidos por meio de gravações de vídeos e áudios, em oito encontros de um grupo de trabalho. As principais referências teórico-metodológicas são trabalhos que envolvem a Análise da Produção Escrita (APE) e o Modelo dos Campos Semânticos (MCS). O grupo de trabalho como espaço formativo se apresenta como uma possibilidade para a formação (inicial e em serviço) de professores que ensinam matemática. As discussões realizadas pelos professores são na direção de um refinamento de seus olhares para as produções de seus alunos, um detalhamento de suas atitudes e ações na elaboração e implementação de atividades e de um conhecimento das sutilezas que envolvem os processos de produção de significados, na direção de ler, plausivelmente, o que acontece em sala de aula.Palavras-chave: Análise da Produção Escrita; Formação de Professores de Matemática; Grupo de Trabalho; Modelo dos Campos Semânticos. A discussion of discussion of Math teachers that analyzes written productions in a work groupAbstract: The aim of this paper is to investigate mathematics teachers discussion in a work group in which they analyze written work in mathematics. We carry out a qualitative research and the data were produced through video and audio recordings in eight meetings of a working group. The principal theoretical and methodological references are works about written work analysis and Model of Semantic Fields. The work group with formative space presents itself as a possibility for the preparation (pre-service and in-service) of mathematics teachers. The discussions carried out by the teachers are towards a refinement of their views for the productions of their students, a detailing of their attitudes and actions in the elaboration and implementation of activities and a knowledge of the subtleties that involve the processes of meaning production, in the direction of reading, plausibly, what happens in the classroom.Keywords: Written Work Analysis; Mathematics Teacher Education; Work Group; Model of Semantic Fields. 

Referências

BURIASCO, R. L. C. Análise da produção escrita: a busca do conhecimento escondido. XII ENDIPE. In: ROMANOVSKI, J. P.; MARTINS, P. L. O.; JUNQUEIRA, S. R. A. (Org.). Conhecimento local e conhecimento universal: a aula, as aulas nas ciências naturais e exatas, aulas nas letras e nas artes. Curitiba: Champagnat, 2004. p.243-251.

BURIASCO, R. L. C. Análise da produção escrita como oportunidade para o desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática. Projeto de Pesquisa. Edital universal – MCTI/CNPq, 2012.

DALTO, J. O. A Produção Escrita em Matemática: uma análise interpretativa da questão discursiva de Matemática comum à 8ª série do Ensino Fundamental e à 3ª Série do Ensino Médio da AVA/2002. 2007. 100f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2007.

DALTO, J. O.; BURIASCO, R. L. C. Problema proposto problema resolvido: qual a diferença? Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 449 – 461, set./dez. 2009.

GARNICA, A. V. M. História oral e educação Matemática. In: ARAÚJO, J. de L.; BORBA, M. de C. (Org.). Pesquisa qualitativa em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 77 – 98.

LINS, R. C.; GIMÉNEZ, J. Perspectivas em aritmética e álgebra para o século XXI. Campinas: Papirus, 1997.

LINS, R. C. Por que discutir Teoria do Conhecimento é relevante para a Educação Matemática. In: BICUDO, M. A. V. (Org.). Pesquisa em Educação Matemática: Concepções e Perspectivas. Rio Claro: Editora UNESP, 1999. p. 75 – 94.

LINS, R. C. Modelo dos Campos Semânticos e Educação Matemática: 20 anos de história. (Org.). ANGELO, C. L. et al. São Paulo: Midiograf, 2012.

LISPECTOR, C. Água viva. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1998.

SANTOS, E. R. Análise da produção escrita em matemática: de estratégia de avaliação a estratégia de ensino. 2014. 156 f. Tese de doutorado. (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2014.

VIOLA DOS SANTOS, J. R. O que alunos da escola básica mostram saber por meio de sua produção escrita em matemática. 2007. 114 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2007.

VIOLA DOS SANTOS, J. R.; BURIASCO, R. L. C. Da ideia de ‘erro’ para as maneiras de lidar: caracterizando nosso aluno pelo que eles têm e não pelo que lhes falta. In: BURIASCO, R. L. C. (Org.). Avaliação e Educação Matemática. Recife: Editora SBEM, 2008. p. 87-108.

VIOLA DOS SANTOS, J. R.; BURIASCO, R. L. C.; CIANI, A. B. A avaliação como prática de investigação e análise da produção escrita em Matemática. Revista de Educação, Campinas v. 13, p. 35-45, 2008.

Downloads

Publicado

03-05-2018

Como Citar

BRITTO, M. L. B.; VIOLA DOS SANTOS, J. R. Uma discussão de discussões de professores de Matemática que analisam produções escritas em um grupo de trabalho. Revista Brasileira de Educação em Ciências e Educação Matemática, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 127–151, 2018. DOI: 10.33238/ReBECEM.2018.v.2.n.1.19430. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/rebecem/article/view/19430. Acesso em: 28 set. 2021.