Alfabetização matemática de alunos bilíngues: enfoque na filosofia de Wittgenstein

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33238/ReBECEM.2020.v.4.n.1.22381
Agências de fomento

Resumo

Resumo: Este texto tem como objetivo definir estratégias pedagógicas de alfabetização matemática para alunos bilíngues nos anos iniciais no Haiti. Uma das principais referências em que se baseia este estudo é o filósofo Wittgenstein que, através de seu conceito de jogo de linguagem, tema relevante desenvolvido na sua segunda filosofia, nos fornece pistas essenciais que poderiam nos ajudar a estabelecer regras relativas ao ensino e aprendizagem da matemática em uma segunda língua. De acordo com os trabalhos dos autores como Machado (1990), Cagliari (2004), Rosa e Orey (2010), Danyluk (2015) sobre a temática, buscamos encontrar diretrizes para conciliar a linguagem matemática, a lingua materna (o crioulo) e a lingua francesa. Nesse sentido, levaremos em consideração a formação dos professores, a realidade linguística e cultural dos alunos, bem como o papel dos atores envolvidos neste processo, contribuindo assim para a melhoria do ensino da matemática numa segunda língua.

Palavras-chave: Alfabetização matemática; Bilinguismo; Jogos de linguagem; Linguagem matemática.

 

Mathematical literacy of bilingual students: a focus on the philosophy of Wittgenstein

Abstract: This text aims to define pedagogical strategies of mathematical literacy for bilingual students in the early years in Haiti. One of the main references on which this study is based is the philosopher Wittgenstein who, through his concept of language game, a relevant theme developed in his second philosophy, provides us with essential clues who could help us to establish rules for teaching and learning mathematics in a second language. According to the works of authors such as Machado (1990), Cagliari (2004), Rosa and Orey (2010), Danyluk (2015) on the theme, we seek to find guidelines to reconcile mathematical language, mother tongue (Creole) and the French language. In this sense, we will consider the teachers' formation, the linguistic and cultural reality of the students, as well as the role of the actors involved in this process, thus contributing to the improvement of mathematics teaching in a second language.

Keywords: Mathematical literacy; Bilingualism; Language games; Mathematical language.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marisa Rosâni Abreu da Silveira, Universidade Federal do Pará

Possui Graduação (1985) e Especialização em Matemática (1988), Especialização em Filosofia do Conhecimento e da Linguagem (1995) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Mestrado em Educação (2000) e Doutorado em Educação (2005) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul com Estágio Doutoral na Universidade de Paris 7 e Estágio Pós-Doutoral no Institut d?Histoire et de Philosophie des Sciences et des Techniques da Université Paris 1 (Sorbonne). Atualmente é professora associada ao Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática e professora do Curso de Licenciatura Integrada em Educação em Ciências, Matemática e Linguagens da Universidade Federal do Pará, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino e aprendizagem da Matemática, discurso pedagógico, construção do conceito matemático, matemática e linguagens, tradução de textos matemáticos. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Linguagem Matemática.

Referências

ANNET, D. et al. Les maths, parent pauvre de l’alpha? Plaidoyer pour les maths en alpha. Journal de l’alpha, n.186, Bruxelles, 2012.

BENTOLILA, A.; GANI, L. Langues et problèmes d’éducation en Haïti. Langages, 15ᵉ année, n. 61. Bilinguisme et diglossie, p. 117-127, 1981.

CAGLIARI, L. C. Alfabetização e linguística. 10. ed. Editora Scipione, 2004.

COSTA, W. C. L. Leitura e interpretação de textos matemáticos para alunos surdos. XIV CIAEM-IACME, Chiapas, México, 2015.

COSTA, W. C. L. da. Leitura, tradução e interpretação de textos matemáticos para alunos surdos. Instituto Federal de Mato Grosso - Campus Confresa. Revista Prática Docente. v. 1, n. 1, p. 4-16, jul./dez. 2016.

DANYLUK, O. S. Alfabetização matemática: as primeiras manifestações da escrita infantil [recurso eletrônico]. 5. ed. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2015.

DU CREST, F. Pour enseigner les mathématiques en alphabétisation. Éditeur: Table de concertation en alphabétisation de Montréal. Montréal, 1996.

DUQUETTE, G. Apprendre une langue étrangère en sauvegardant sa langue d’origine. Canada, Toronto: Réseau EdCan, 2012.

ELMIGER, D. Définir le bilinguisme. Catalogue des critères retenus pour la définition discursive du bilinguisme. Publié dans Revue Tranel (Travaux neuchâtelois de linguistique), v. 32, p. 55-76, 2000.

FRIEDERICH, G. De l’intérêt de faire des mathématiques en allemand en tant que D.N.L. (Discipline Non Linguistique) dans les collèges de l’Académie se Strasbourg. Université Louis Pasteur, Strasbourg. Mémoire de maitrise 2004-2005.

JÚNIOR, G. F. de A. 10 Lições sobre Wittgenstein. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

KLUSENER, R. et al. Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. 7.ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.

LEÇONS D’ALPHABÉTISATION: 8 Principes pour faire en sorte que tous les enfants, sans exception, sachent lire. Save the Children International Organisation caritative, 2016. Disponível em: https://www.savethechildren.ca/wp-content/uploads/2016/09/Literacy-Breakthrough-Report-4WEB-FRE.pdf. Acesso em: 15 abr. 2020.

MACHADO, N. J. Matemática e língua materna: análise de uma impregnação mútua. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

PINTO, T. P. Linguagem e educação: mapeamento de usos na sala de aula. (Dissertação de Mestrado). - Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista, Campus de Rio Claro, 2009.

ROSA, M.; OREY, C. D. A influência dos fatores linguísticos no ensino aprendizagem em matemática: o caso dos Estados Unidos. ZETETIKÉ, v. 18, número temático, p. 485-504, 2010.

SILVEIRA, M. R. A. da. Produção de Sentidos e Construção de Conceitos na Relação Ensino/Aprendizagem da Matemática. 2005. (Tese de Doutorado). - Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005.

SILVEIRA, M, R. A. da et al. Os dicionários de Wittgenstein e de Baruk: o significado linguístico no ensino e no aprendizado da matemática. Educação, Porto Alegre, v. 37, n. 3, p. 390-399, set./dez. 2014.

SILVEIRA, M, R. A. da. Tradução de textos matemáticos para a linguagem natural em situações de ensino e aprendizagem. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, v.16, n.1, p. 47-73, 2014.

SILVEIRA, M, R. A. da. Matemática, discurso e linguagens: contribuições para educação matemática. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2015.

SILVEIRA, M, R. A. da. Jogos de Linguagem entre Professor e Alunos: Possibilidades de Aprender e Ensinar Matemática. Revista Iberoamericana de Educación Matemática, n. 50, p.78-91, ago. 2017.

SOUZA, K. do N. V. de. Alfabetização matemática: considerações sobre a teoria e a prática. Revista de iniciação científica da FFC, Marília, v.10, n.1, p.1-13, 2010.

STUDER, Bruno. 8 propositions pour un enseignement bilingue ambitieux au service du territoire. Disponível em https://www.brunostuder.fr/wp-content/uploads/2018/10/Rapport-Bruno-STUDER-Enseignement-bilingue-10-2018-pour-envoi.pdf. Acesso em: 8. jan. 2019.

TANASE, I. Theories du langage. Wittgenstein. Valahia University of Targoviste, 2011.

VIGNER, G. Enseigner le français comme langue seconde, CLE International, 2001.

WITTGENSTEIN. L. De la Certitude. Edition française, Gallimard, les essais, 1965.

WITTGENSTEIN. L. Recherches Philosophiques. Éditions Gallimard. 2004.

Downloads

Publicado

06-05-2020

Como Citar

CHARLES, M. E.; SILVEIRA, M. R. A. da. Alfabetização matemática de alunos bilíngues: enfoque na filosofia de Wittgenstein. Revista Brasileira de Educação em Ciências e Educação Matemática, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 37–58, 2020. DOI: 10.33238/ReBECEM.2020.v.4.n.1.22381. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/rebecem/article/view/22381. Acesso em: 11 dez. 2023.

Edição

Seção

Pesquisa