A etnomatemática dos tropeiros e suas tecnologias:

um jacar de elementos para a educação matemática do campo

Autores

  • Jonas Luiz Rodrigues Laboratório de Meio Ambiente, Ciência e Educação da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.
  • Diógenes Valdanha Neto Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Laboratório de Meio Ambiente, Ciência e Educação (LAMACE-UFTM) https://orcid.org/0000-0002-8170-0484

DOI:

https://doi.org/10.33238/ReBECEM.2022.v.6.n.1.27584

Palavras-chave:

Saberes Populares, Povos tradicionais, Tropeirismo, Educação do Campo, Educação Matemática

Resumo


Este estudo teve o objetivo principal de sistematizar as principais unidades de medidas e tecnologias envolvidas na prática social do tropeirismo. Para isso, foi desenvolvido um estudo de caso em uma comunidade geraizeira do Norte de Minas Gerais, que contou com a participação de quatro moradores. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas, conversas informais e observação direta. Os resultados demonstram uma multiplicidade de unidades de medidas não convencionais utilizadas, como o prato, saco e alqueire. Ademais, foram identificadas tecnologias próprias, como o jacar – artefato utilizado para armazenar e conservar frutos e que também funciona como unidade de medida. Conclui-se que a prática social do tropeirismo mobiliza conhecimentos matemáticos originais e precisos que podem ser utilizados de forma dialógica na educação do campo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jonas Luiz Rodrigues, Laboratório de Meio Ambiente, Ciência e Educação da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Graduado em Licenciatura em Educação do Campo, área do conhecimento Matemática, pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) , Uberaba, Minas Gerais, Brasil. E-mail: jonasluiz02@gmail.com. Membro do Laboratório de Meio Ambiente, Ciência e Educação (LAMACE-UFTM).

Diógenes Valdanha Neto, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Laboratório de Meio Ambiente, Ciência e Educação (LAMACE-UFTM)

Graduado em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas (USP), mestre em Educação Escolar (UNESP) e doutor em Educação (USP). Docente da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba, Minas Gerais, Brasil, junto ao Departamento de Educação em Ciências, Matemática e Tecnologias, onde coordena o Laboratório de Meio Ambiente, Ciência e Educação (LAMACE-UFTM).E-mail: diogenesvn@gmail.com

Referências

ANTUNES DE SÁ, A; OVIGLI, D. F. B. Os conhecimentos matemáticos envolvidos na fabricação do polvilho na comunidade Santa Maria, Rio Pardo de Minas/MG. Hipátia: Revista brasileira de história, educação e matemática, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 383-397, 2020.

BRASIL. Decreto no. 6.040, de 07 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 5p, 2007.

BRITO, I. C. B. de. Ecologismo dos Gerais: conflitos socioambientais e comunidades tradicionais no Norte de Minas Gerais. 2013. 272 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável), Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

CALDART, R. S. Pedagogia do movimento sem terra. 4ª edição. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

CHASSOT, A. A ciência através dos tempos. 2ªed., 32ª reimpr. São Paulo: Moderna, 2019.

D’AMBRÓSIO, U. Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação & Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 99-120, 2005.

D’AMBRÓSIO, U. À guisa de um preâmbulo ao trabalho “o ensino da matemática elementar no Brasil”. HISTEMAT – Revista de História da Educação Matemática, São Paulo, v. 04, n. 01, p. 01-13, 2018a.

D’AMBRÓSIO, U. Etnomatemática, justiça social e sustentabilidade. Estudos Avançados, São Paulo, v. 32, n. 84, p. 01-16, 2018b.

DAMASCENO, A. V. C. A cultura da produção da farinha: um estudo da matemática nos saberes dessa tradição. 2005. 155 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2005.

FERREIRA, J. S.; FONSECA, L. M. B; MATOS, M. D. G. A etnomatemática na produção da farinha de mandioca: entrelaçando os saberes matemáticos utilizados por alunos agricultores e o ensino escolar do conceito de razão. Anais da I JEM – Jornada de Estudos em Matemática. Marabá, Pará, 2015.

FREITAS, J. R. C. de. Um modo de mensurar na Zona da Mata Sul de Pernambuco. In: MATTOS, J. R. L. Etnomatemática: saberes do campo. Curitiba-PR: CRV, 2016.

HAHN, S.; SILVA JUNIOR, A. P. da; SEIBERT, C.; LIMA, D. F.; BOTH, J.; MAZZARDO, O.; SAMPAIO, A. A. Itinerância, intensificação e condições de trabalho de professores de educação física escolar como condicionante de motivação e bem-estar docente. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 19, n. 3, p. 135–142, 2021.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 4ªedição. São Paulo, SP: EDUSP, 2008.

LUNE, H.; BERG, B. L. Qualitative research methods for the social sciences. Global Edition. London-UK: Pearson Education Limited, 2017.

MATTOS, J. R. L. Etnomatemática: saberes do campo. Curitiba-PR: CRV, 2016.

MOLINA, M. C.; ANTUNES-ROCHA, M. I.; MARTINS, M. F. A. A produção do conhecimento na licenciatura em Educação do Campo: desafios e possibilidades para o fortalecimento da educação do campo. Revista Brasileira de Educação, v. 24, p. 01-30, 2019.

MOLINA, M. C. Educação do Campo: cultivando princípios, conceitos e práticas. Presença Pedagógica, v. 15, n 88, p. 30-36, 2009.

NOGUEIRA, M. C. R. Gerais a dentro e a fora: identidade e territorialidade entre Geraizeiros do Norte de Minas Gerais. 2009. 233 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social), Universidade de Brasilia, Brasília, 2009.

SÁ, G. D. de. Os últimos tropeiros: memórias da comunidade geraizeira de Monte Alegre. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação do Campo). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

SACHS, L. Multiplicidade de conhecimentos matemáticos na educação do campo. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 12, n. 01, p. 09-29, 2019.

SILVA, C. D. D.; OVIGLI, D. F. B. Levantamento das unidades de medida não convencionais utilizadas na comunidade Moreira, Rio Pardo de Minas/MG: um olhar etnomatemático. Educação Matemática em Revista, v. 2, n. 21, p. 79-89, 2020.

WHITAKER, D. C. A.; DANTAS, A.; ANDRADE, E. A.; FIAMENGUE, E. C.; ARAÚJO, R. A.; MACHADO, V. A transcrição da fala do homem rural: fidelidade ou caricatura? In: WHITAKER, D. C. A.; (org.). Sociologia Rural: questões metodológicas emergentes. Presidente Venceslau-SP. Ed. Letras à Margem, 2002.

WHITAKER, D. C. A. Análise de entrevistas em pesquisas com histórias de vida: questões metodológicas. In: WHITAKER, D. C. A.; VELÔSO, T. M. G. Oralidades e Subjetividade: os meandros infinitos da memória. Campina Grande: EDUEP, 2005.

WHITAKER, D. C. A. Educação Rural: da razão dualista, à razão dialética. Retratos de Assentamentos, n.11, p. 295-304, 2008.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5ª edição. Porto Alegre: Bookman, 2015.

Downloads

Publicado

03-05-2022

Como Citar

RODRIGUES, J. L.; VALDANHA NETO, D. A etnomatemática dos tropeiros e suas tecnologias: : um jacar de elementos para a educação matemática do campo. Revista Brasileira de Educação em Ciências e Educação Matemática, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 80–94, 2022. DOI: 10.33238/ReBECEM.2022.v.6.n.1.27584. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/rebecem/article/view/27584. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Pesquisa